Política

Após saída de Moro, avaliação negativa do governo Bolsonaro sobe a 49%

A avaliação negativa do governo de Jair Bolsonaro subiu de 42% para 49% depois do pedido de demissão do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de acordo com a pesquisa XP Ipespe. Por outro lado, a avaliação positiva variou de 31% para 27%.

As duas marcas são o maior e o menor valor da série, iniciada em janeiro de 2019, segundo a XP Ipespe.

Para esse levantamento, foram realizadas 1.000 entrevistas de abrangência nacional, nos dias 28, 29 e 30 de abril. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais. A sondagem anterior foi divulgada no dia 24 de abril, dia da demissão de Moro.

Para o restante do mandato, houve movimento semelhante, com aumento da expectativa negativa, de 38% para 46% e queda na expectativa positiva, de 35% para 30%.

Avaliações

No período, caiu também a nota média atribuída ao presidente, que era de 5,1 na pesquisa divulgada em 24 de abril e foi de 4,7 no levantamento atual. Já a nota média atribuída a Sérgio Moro teve movimento inverso: passou de 6,2 para 6,5 desde sua saída do governo.

Quanto à avaliação do Congresso, a parcela dos que consideram ruim ou péssimo passou de 36% para 40%, enquanto a de ótimo ou bom variou de 18% para 16%.

Sobre os efeitos da demissão de Moro do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, continua em 67% a fatia dos entrevistados que acreditam que ela trará impactos negativos para o restante do governo. Em relação ao novo ministro, André Mendonça, 69% dizem acreditar que ele terá uma atuação com interferências do presidente, enquanto 19% esperam uma atuação independente.

Economia

A nova pesquisa também mostrou uma percepção mais desfavorável sobre a economia. Dos entrevistados, 52% acham que a economia está no caminho errado, contra 47% na semana passada. Os que veem a economia no caminho certo oscilaram de 35% para 32%.

A maior parcela dos participantes (62%) acredita que Bolsonaro deve mudar a política econômica, com mais investimentos do governo, para superar a crise. Já 29% avaliam que o presidente deve manter as reformas e o enxugamento dos gastos públicos, com mais participação de empresa privadas.

O levantamento registrou ainda um aumento no porcentual dos que dizem estar com “muito medo” do surto de coronavírus: são 48% nesta rodada contra 41% na semana anterior.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?