Política

Após reunião, Doria evita críticas ao governo e elogia ministro interino

Crédito: João Doria Valter Campanato/Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria: clima de "harmonia" com o presidente Bolsonaro (Crédito: João Doria Valter Campanato/Agência Brasil)


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), usou sua entrevista coletiva diária para amenizar o tom de embate com o governo federal que marcou os últimos meses, em meio a divergências sobre a estratégia de combate à pandemia do novo coronavírus. Logo após uma reunião virtual de governadores com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, Doria destacou que o clima era de “paz, harmonia e entendimento”.

A mudança de tom no discurso ocorre após o governo Bolsonaro se comprometer com a sanção de um socorro financeiro aos Estados e municípios.

Após almoço com Bolsonaro, Crivella diz que estuda reabertura escalonada no Rio

Maia avalia como positiva conversa com Bolsonaro e governadores

Doria também anunciou que o Ministério da Saúde se comprometeu com a habilitação de 1,8 mil leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) no interior de São Paulo, e ampliará o envio de respiradores ao Estado para um total de 600 equipamentos.

“Apesar de toda a tristeza, do número de pessoas infectadas e de mortes, hoje é um dia de paz e de entendimento”, disse Doria. “Estou pessoalmente feliz por termos concluído uma reunião de parte a parte, pelos governadores e pela Presidência da República, em paz e em harmonia.”

O governador também disse que teve uma “longa e produtiva” com o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, sobre a entrega de equipamentos e auxílio financeiro a São Paulo para a implementação dos novos leitos de UTI.

Em mais um gesto de trégua, Doria disse que o general foi “amável e atencioso” com a equipe do governo estadual.

Promessas fundamentais

Ao longo da entrevista coletiva, os integrantes do centro de contingência da covid-19 no Estado de São Paulo destacaram as promessas do ministério como fundamentais para o enfrentamento da doença. Se o ministério cumprir a promessa, segundo o governo estadual, a entrega representará acréscimo de 45% no número de UTIs em todo o Estado.

A prioridade para a entrega dos novos leitos deve ser para o interior . Com a habilitação, o governo federal passa a pagar uma diária de R$ 1,6 mil para cada leito.

A previsão, segundo Doria, é que as UTIs comecem a ser habilitadas a partir da próxima terça-feira, 26. Os novos respiradores já começaram a chegar em São Paulo nesta quinta, 21, segundo o governo.

O secretário estadual de saúde, José Henrique Germann, tem uma reunião virtual com o ministro interino marcada para a tarde desta quinta-feira para acertar os detalhes da entrega dos equipamentos. Doria frisou que, apesar das promessas do ministério representarem um alívio no enfrentamento à pandemia, o governo estadual prevê uma “longa guerra” contra o vírus deve permanecer em contato com o ministério para manter o abastecimento de insumos.

“Esta é uma guerra de feita de várias batalhas”, disse o governador. “Nos ajuda bastante (as UTIs e respiradores). Talvez não seja definitivo dadas as circunstâncias, porque ainda temos um tempo longo pela frente nesta guerra contra o coronavírus”, comentou. “A pandemia continua, nós precisaremos de mais equipamentos e isso será tratado.”