Política

Após pedido inclusão na lista da Interpol, defesa diz que Struck vai se entregar

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) informou, nesta segunda-feira, 21, que pediu a inclusão do ex-subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Saúde da capital federal, Iohan Andrade Struck, na lista de difusão vermelha da Interpol.

Segundo a Procuradoria, a medida é uma estratégia para impedir que Iohan deixe o País. Ele é o único foragido entre os sete alvos da Operação Falso Negativo, que investiga suspeitas de superfaturamento e fraudes na compra de testes rápidos de covid-19 na gestão do governador Ibaneis Rocha (MDB), e teve o mandado de prisão expedido há quase um mês.

O advogado Alexandre Adjafre, que defende Struck, informou que o ex-subsecretário estava cumprindo isolamento social após apresentar sintomas do novo coronavírus. O resultado do teste deu negativo para covid-19. Nesse meio tempo, a defesa apresentou um pedido de revogação da ordem de prisão e aguardava o parecer da Justiça, que ainda não apreciou o requerimento. Diante do quadro, o advogado de Struck afirmou que ele vai se apresentar às autoridades nos próximos dias.

“Ele vai se apresentar para prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense. Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia”, informou o advogado.

A Operação Falso Negativo prendeu preventivamente o chefe da Secretaria de Saúde, Francisco Araújo, e outros quatro integrantes da cúpula da pasta suspeitos pelo desvio de cerca de R$ 18 milhões destinados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus no Distrito Federal. São eles:

Eduardo Pojo do Rego, ex-secretário adjunto de Gestão em Saúde;

Ricardo Tavares Mendes, ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde;

Eduardo Hage, ex-subsecretário de Vigilância de Saúde;

Ramon Santana Lopes Azevedo, ex-assessor especial do secretário de Saúde;

Jorge Chamon, ex-diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen).

Após a operação, o grupo foi exonerado dos cargos pelo governador. A denúncia apresentada pelo Ministério Público imputa aos ex-servidores os crimes de fraude à licitação, lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALEXANDRE ADJAFRE

A reportagem entrou em contato com o advogado Alexandre Adjafre, defensor de Iohan Andrade Struck, que informou que o ex-subsecretário vai se apresentar para “prestar todos os esclarecimentos necessários à Justiça, ao Ministério Público e à sociedade brasiliense”.

“Não só sobre como, efetivamente, todos os procedimentos aconteceram dentro da legalidade, mas especialmente para demonstrar a sua total inocência quantos aos fatos relatados na denúncia”, disse o advogado.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?