Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Após novo recorde, governo quer estabelecer estratégia para o combate ao desmatamento

Após novo recorde, governo quer estabelecer estratégia para o combate ao desmatamento

O governo brasileiro, enfim, reconheceu o impacto das queimadas e do desmatamento ilegal para o futuro da Amazônia. Números divulgados na segunda-feira 18 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que a área desmatada na floresta amazônica chegou a 9.762 km² entre agosto de 2018 e julho de 2019, o que significa um avanço de 29,5% em relação a igual período do ano anterior. É a maior taxa registrada desde o ciclo entre agosto de 2007 e julho de 2008, quando o órgão mediu 12.911 km² de área derrubada na região. Depois de tanto relutar contra os fatos, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, cedeu. Na quarta-feira 20, o político admitiu que é preciso “estabelecer estratégias” para combater o desmatamento ilegal na região. Não foram divulgadas metas para a diminuição progressiva ou um prazo para a queda dos crimes ambientais. A proposta do ministro aborda aspectos como regularização fundiária, monetização da preservação, bioeconomia e zoneamento econômico e ecológico. As ações, segundo ele, seriam financiadas pelo Fundo Petrobras, que repassará R$ 430 milhões para a preservação da Amazônia.

(Nota publicada na Edição 1148 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desmatamento na Amazônia avança mais de 200% em outubro

O apetite das motosserras na floresta amazônica segue insaciável. Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia [...]

Combos livres no Burger King

Para ajudar a preservar o meio ambiente, o Burger King Brasil decidiu retirar as caixas de papelão do combo King Jr., voltado a [...]

Governo quer desobrigar empresa de cumprir cota para trabalhador com deficiência

O governo Bolsonaro quer acabar com a política de cotas para pessoas com deficiência ou reabilitadas. O projeto de lei 6.159/2019, que [...]

Empresas do Bem – A responsabilidade social da Cogna

A Cogna, holding que administra diversas marcas educacionais como Kroton, Saber, Platos e Vasta/Somos, está reforçando o seu papel social. Desde que Camilla Veiga assumiu a área de responsabilidade social da empresa, no fim de 2018, os projetos não param. Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram impactadas por meio de 1,7 mil programas […]

A farra dos agrotóxicos

A aprovação de pesticidas, alguns deles proibidos em outras partes do mundo, tornou-se uma ação rotineira para o Ministério da [...]
Ver mais