Sustentabilidade

Após ano em branco, comunidade internacional se reúne para proteger biodiversidade

Após ano em branco, comunidade internacional se reúne para proteger biodiversidade

A quarta edição do "One Planet Summit", uma cúpula internacional dedicada à biodiversidade, acontecerá na segunda-feira, 11 de janeiro de 2021 em Paris - dpa/AFP/Arquivos

A comunidade internacional se reuniu nesta segunda-feira (11), em uma cúpula em Paris sobre a biodiversidade, dedicada a intensificar e a lançar novos planos de conservação após um ano de quase total inação, e também voltada para a prevenção de pandemias, como a da covid-19, que saltou do mundo animal para o humano.

“2021 deve ser o ano em que a humanidade se reconciliará com a natureza”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, por videoconferência na abertura da quarta edição do One Planet Summit, realizado principalmente online.

Patrocinada pela França, o evento contou com a participação da chanceler alemã, Angela Merkel; do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson; do chefe de governo espanhol, Pedro Sánchez; do presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado; assim como do príncipe Charles da Inglaterra, entre outros.

Os líderes pediram a adoção de um ambicioso plano de ação na COP15 em Kunming (China) sobre a biodiversidade, que ocorrerá no segundo semestre do ano, após seu cancelamento em 2020 devido à pandemia.

Junto com as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade é um dos maiores desafios que a Humanidade enfrentará nos próximos anos, e os dois fenômenos estão relacionados, segundo os cientistas.

Entre 1970 e 2016, o mundo perdeu mais de dois terços dos vertebrados, com um colapso brutal em algumas regiões, como nas zonas tropicais da América Central e do Sul (-94%), segundo relatório alarmante publicado em setembro pela organização WWF.

Apesar da necessidade de ação, a pandemia obrigou a suspensão de dois eventos internacionais considerados fundamentais no ano passado: o Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), em Marselha (França), e a COP15 de Kunming, cujo objetivo era elaborar um plano global para proteger e restaurar ecossistemas até 2050.

– Novas coalizões –

De olho nas duas reuniões adiadas para mais tarde este ano, a cúpula desta segunda-feira teve como foco quatro temas: proteção dos ecossistemas terrestres e marinhos, promoção da agroecologia, mobilização de financiamento e a ligação entre desmatamento, espécies e saúde humana.

E serviu para lançar oficialmente a Coalizão de Alta Ambição para a Natureza e os Povos (HAC), com a adesão de cerca de 50 países. O objetivo é proteger 30% dos espaços naturais da Terra até 2030.

A Coalizão “trabalhará duro este ano” para “desempenhar um papel” nas negociações internacionais com vistas a chegar a um acordo global sobre a biodiversidade, disse à AFP a ministra costarriquenha de Meio Ambiente e Energia, Andrea Meza.

Segundo a ministra, apesar de a pandemia atrasar as negociações, também demonstrou “que, quando os governos tomam decisões, podem haver efeitos importantes voltados para o bem comum e para as pessoas (…) com resultados imediatos”.

A França também apresentou um novo grupo, a Coalizão por um Mar Mediterrâneo Exemplar em 2030, que atualmente conta com seis países, entre eles a Espanha, para promover a pesca sustentável e o transporte marítimo naquela região, combater a poluição marinha e preservar a biodiversidade.

Outra coalizão terá a missão de dedicar 30% do financiamento público climático de seus membros a soluções baseadas na natureza, às quais poderá se juntar uma aliança de investidores privados.

– Luta contra zoonoses –

O programa desta cúpula de um dia também incluiu o lançamento do PREZODE, uma iniciativa internacional de pesquisa dedicada à prevenção de zoonoses, ou seja, doenças que são transmitidas de animais para humanos. Este foi o caso da covid-19.

Para muitos especialistas, a destruição de ecossistemas, principalmente devido à agricultura e à urbanização, multiplica os contatos entre as espécies, facilitando a transmissão de doenças e de infecções.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, falará durante a reunião.

A cúpula será precedida de um fórum dedicado à “Grande Muralha Verde” da União Africana para o combate à desertificação na região do Saara. O objetivo será iniciar compromissos financeiros de um total de US$ 10 bilhões.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel