Giro

Após 32 anos, tempestade solar pode estar a caminho

Crédito: Reprodução/NASA

Segundo pesquisas, este tipo de eventos acontece em média a cada 25 anos e o último foi em 1989, o que significa que um novo fenômeno pode estar a caminho (Crédito: Reprodução/NASA)

As tempestades solares acontecem e podem ser perigosas para o planeta devido ao risco de libertarem elevados níveis de radiação. Segundo pesquisas já realizadas, este tipo de eventos acontece em média a cada 25 anos e o último foi em 1989, o que significa que um novo fenômeno pode estar a caminho da Terra, segundo Rami Qahwaji, professor de computação visual da Universidade de Bradford.

+ Cientistas criam filtro que remove impurezas da água através da energia solar

A última tempestade, há cerca de 32 anos, causou fortes quedas de energia no Québec, no Canadá, uma vez que as rochas condutoras na Terra podem transportar o excesso de energia presente no escudo magnético e lançá-lo para a rede nacional.

Os altos níveis de radiação liberados neste tipo de fenômenos naturais podem afetar não só a tecnologia da Terra, mas também o DNA dos seres vivos, humanos e animais. Segundo Rami Qahwaji, o clima espacial e o bombardeio de radiação podem conduzir a problemas de saúde, como câncer.

O professor de computação visual inventou “um sistema que tem sido usado pela NASA desde 2011 para analisar as últimas imagens de satélite e dados de manchas solares, de forma a prever explosões solares”. O sistema é conhecido como ‘Previsão Automática de Atividade Solar’ (ASAP) e pode fazer estimativas rápidas sobre a chegada de uma tempestade solar.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel