Política

Apesar das mortes por Covid e do poço econômico, empresários ovacionam Bolsonaro em jantar

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro: ovacionado em jantar, ainda que o país já conte mais de 300 mil mortos por covid (Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil)

Sobre uma pilha com mais de 341 mil cadáveres, sem nenhum plano do governo para resolver as crises sanitária e econômica, com pouca esperança de que as prometidas reformas se concretizem. Apesar desse cardápio indigesto, o presidente Jair Bolsonaro foi ovacionado em jantar com empresários na noite desta quarta-feira, dia 8, em São Paulo.

Negando convite a seus seguidores mais radicais no empresariado, como Luciano Hang (dono da Havan), Bolsonaro compartilhou taças e talheres com, entre outros, Rubens Ometto (Cosan), Claudio Lottenberg (Confederação Israelita do Brasil), Rubens Menin (MRV), Carlos Sanchez (EMS), André Esteves (BTG Pactual), Alberto Saraiva (Habib’s), José Roberto Maciel (SBT), Paulo Skaf (Fiesp), além do anfitrião, Washington Cinel, dono do grupo que leva seu sobrenome.

Luciano Hang, dono da Havan, é excluído de jantar de Bolsonaro com empresários

Embora temas como reformas estruturais tenham sido abordados durante o regabofe, a principal tônica, segundo os presentes, foi a vacinação no ritmo mais acelerado possível. Não houve detalhamento, porém, de como essa intenção vai virar realidade.

Segundo um empresário presente, Bolsonaro foi o último a falar. E teria sido “ovacionado” ao se comprometer com a imunização da população. Em sua fala, Bolsonaro acabou elogiando indiretamente o seu desafeto João Doria, ao destacar que o País tem duas fábricas próprias de vacina – uma da Fiocruz, no Rio de Janeiro, e outra do Instituto Butantan, em São Paulo.

O presidente também tentou instar os empresários a focar nos aspectos positivos do governo, e não apenas nos negativos. Muitos dos presentes devem ter coçado a cabeça nesse momento.

A aproximação entre empresários e Bolsonaro vem na esteira de uma carta, divulgada no fim de março, em que economistas e banqueiros cobravam uma mudança na condução do governo em relação à economia e ao combate à pandemia.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel