Giro

Apenas 3% da superfície mundial está ecologicamente intacta, diz estudo

Crédito: Reprodução/Pexels

As descobertas mostraram que pode ser possível aumentar as áreas com integridade ecológica em até 20% por meio da reintrodução direcionada de espécies (Crédito: Reprodução/Pexels)

Apenas 3% das terras do mundo permanecem ecologicamente intactas, de acordo com um novo estudo que sugere danos aos habitats das espécies em uma escala muito maior do que se pensava anteriormente.

Os pesquisadores disseram que existem “poucas áreas” em todo o planeta que ainda podem ser classificadas como tendo “excelente integridade ecológica”, apesar da natureza ser “cada vez mais reconhecida como importante para a conservação da biodiversidade”.

+ Espiões dos EUA dizem que China está construindo armas espaciais

Apenas 2,8 por cento da superfície terrestre do mundo está “funcionalmente intacta”, o que significa que não houve perda de espécies a ponto de afetar o funcionamento saudável de um ecossistema. Isso foi 10 vezes menor do que as estimativas anteriores.

A pesquisa, publicada na revista Frontiers in Forests and Global Change, também estimou que cerca de 2,9 por cento da superfície terrestre do mundo pode ser considerada “faunalmente intacta” sem qualquer perda de animais especiais.

“Sabemos que o habitat intacto está cada vez mais sendo perdido e os valores do habitat intacto foram demonstrados tanto para a biodiversidade quanto para as pessoas”, disse o Dr. Andrew Plumptre do Secretariado de Áreas Chave de Biodiversidade em Cambridge e principal autor do estudo.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

“Mas este estudo descobriu que muito do que consideramos como habitat intacto está faltando espécies que foram caçadas pelas pessoas ou perdidas por causa de espécies invasivas ou doenças.”

As áreas identificadas pelo estudo como funcionalmente intactas incluem o leste da Sibéria e o norte do Canadá, partes das florestas tropicais da bacia do Amazonas e do Congo e o deserto do Saara.

O jornal observou que muitas áreas ecologicamente intactas são administradas por comunidades indígenas que “têm desempenhado um papel vital na manutenção da integridade ecológica dessas áreas”.

O Dr. Plumptre disse que as descobertas mostraram que pode ser possível aumentar as áreas com integridade ecológica em até 20% “por meio da reintrodução direcionada de espécies que foram perdidas em áreas onde o impacto humano ainda é baixo”.

Isso ocorre “desde que as ameaças à sua sobrevivência possam ser tratadas e os números reconstruídos a um nível em que cumpram seu papel funcional”, acrescentou.

No início deste ano, um professor previu que a floresta amazônica – um dos ecossistemas mais diversos do mundo – poderia estar em curso nos próximos 50 anos para se transformar em uma planície seca inóspita.

Enquanto isso, outra pesquisa descobriu que os ecossistemas terrestres estão se aproximando rapidamente de um “ponto de inflexão da temperatura”, além do qual eles poderiam começar a liberar CO2 na atmosfera.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel