Giro

Apaixonados por eclipses terão um ano cheio para acompanhar

Crédito: Reprodução/Pexels

Os astrônomos preveem outros fenômenos interessantes em nosso satélite natural para encantar os olhos. Serão noites ideais para passar ao ar livre (Crédito: Reprodução/Pexels)

Ao longo deste ano haverá uma série de shows celestiais, incluindo chocantes chuvas de meteoros, alinhamento de planetas, eclipses solares e lunares.

Os astrônomos preveem outros fenômenos interessantes em nosso satélite natural para encantar os olhos. Serão noites ideais para passar ao ar livre, sozinho ou com seus entes queridos.

+ Marte tem duas luas estranhas, mas no início eram só uma… o que aconteceu?

No dia 26 de maio, um alinhamento do Sol, Terra e Lua será testemunhado com tal precisão que a sombra do planeta cobrirá completamente a face lunar, gerando assim um eclipse total, conhecido como Lua de Sangue.

Mais tarde, em 10 de junho, haverá um eclipse solar parcial anular, popularmente conhecido como Anel de Fogo. Esse fenômeno pode ser melhor observado em áreas próximas ao Polo Norte, como o norte do Canadá, o leste da Rússia ou a Groenlândia.

Um eclipse parcial, conhecido como Beaver Moon, é esperado em 18 de novembro. Durante um período de 3 horas e meia, 97% do nosso satélite entrará na sombra da Terra. Pode ser observada na América do Norte e do Sul, Austrália, algumas partes da Europa e Ásia.

No dia 4 de dezembro será a vez de um eclipse solar total, que poderá ser visto na Antártica, na África e no Atlântico.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel