Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Aos 85 anos, Lalou Bize-Leroy é a grande dama da Borgonha

Aos 85 anos, Lalou Bize-Leroy é a grande dama da Borgonha

Há duas unanimidades sobre Lalou Bize-Leroy, que pode ser chamada da grande dama da Borgonha. A primeira diz respeito a seu gênio, dificílimo. A segunda é a sua competência em elaborar alguns dos melhores vinhos da Borgonha: seus brancos e tintos da Domaine Leroy estão entre os mais cobiçados entre os apreciadores e atingem preços estratosféricos.

A história de sua saída da Domaine de La Romanée-Conti (DRC) ilustra bem estas duas facetas da personalidade de Lalou. A DRC pertence a duas famílias, a Villaine e a Leroy, com gestão compartilhada. Desde 1974, ela e Aubert de Villaine eram os co-gerentes da vinícola. Em 1992, Lalou foi destituída desta função, numa ação que contou com o apoio de sua irmã Pauline Roch-Leroy (cada uma detém 25% da vinícola, e os 50% restantes são da família Villaine). Na época, entre as alegações para sua saída é que a Leroy, que tinha os direitos de comercializar os vinhos da Romanée-Conti para alguns mercados asiáticos, havia comprado vinhedos em Richebourg e estava fazendo concorrência direta à vinícola que ela co-dirigia. Havia, assim, um conflito de interesses.

A saída da DRC foi boa para os vinhos da Domaine Leroy, já que Lalou passou a ter mais tempo para os 22 hectares de vinhedos, cultivados de acordo com a filosofia biodinâmica. Em suas declarações, ela não raro afirma que a pinot noir é uma uva que só mostra o seu potencial na Borgonha, e que o trabalho dos produtores é respeitar as vinhas. No Brasil, seus vinhos são importados com exclusividade pela Castel Studio, de Jerome Dumora.

Tópicos

Borgonha Vinho

Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.