Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Ao vencedor, as batatas

Ao vencedor, as batatas

A Bem Brasil Alimentos, uma das principais fabricantes de batata pré-frita congelada do Brasil, está com planos ambiciosos para assumir a liderança do segmento no País, hoje ocupada pela canadense McCain. Para isso, investiu R$ 200 milhões na construção de uma segunda unidade em Minas Gerais, que ficou pronta no ano passado. Agora, três frentes são prioritárias: avançar no segmento de fast-food; ganhar espaço nos supermercados; e desbravar o mercado externo, principalmente países da América Latina e da Ásia. “Neste ano, estamos fazendo um trabalho grande de merchadising no ponto-de-venda e negociando com grandes redes de fast-food”, afirma João Emílio Rocheto, CEO da companhia. A meta é produzir 183,6 mil toneladas de batatas no ano e alcançar um faturamento de R$ 800 milhões, R$ 280 milhões a mais do que o registrado em 2017.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn e Pedro Arbex)


Mais posts

Rumo ao Brechó digital

A Redpoint eventures, empresa americana de capital de risco que aposta em startups de tecnologia, vai investir na Repassa, empresa de [...]

A novela da Sapore

Depois de duas tentativas fracassadas ao longo do ano, a saga da fusão entre as empresas Sapore, uma das maiores fornecedoras de [...]

A visão da Monkey

A fintech Monkey Exchange, marketplace de antecipação de recebíveis, vai ampliar de 10 para 30 o número de clientes de grande porte em [...]

Por que a Audi vai investir € 40 bilhões?

A alemã Audi parece decidida a buscar a liderança do mercado de novas tecnologias. Em cinco anos, a empresa planeja investir € 40 [...]

Charge

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone e Valéria Bretas)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.