Giro

Ao lado de Salles, Bolsonaro repete que o Brasil é ‘o país que mais preserva’

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira, 24, que se as terras indígenas passassem a ocupar área equivalente a 20% do território nacional, o agronegócio seria “inviabilizado”. Atualmente, 13,8% da extensão do País é reservada a povos indígenas. Ele alegou ainda que a expansão das terras indígenas para 20% do território seria uma vontade de “alguns países do primeiro mundo”.

Após ter rebatido críticas à sua política ambiental na última terça-feira, 22, em discurso na Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), hoje o presidente voltou a dizer que é acusado de “tocar fogo” na Amazônia e no Pantanal “ou não tomar providências” em relação ao alastramento das queimadas nas duas regiões. Segundo o mandatário, o Brasil seria alvo de “um ataque criminoso” e “desinformação” como parte de um “jogo econômico”.

Também participa da live semanal o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A transmissão é feita de São Paulo (SP), uma vez que o presidente passará amanhã, 25, por cirurgia no hospital Albert Einstein para remover um cálculo da bexiga.

Bolsonaro repetiu a afirmação de que o Brasil seria “o país que mais preserva” florestas tropicais, sem explicar, contudo, que fomos também o país com a maior perda desse tipo de cobertura vegetal em 2019. “Temos commodities, o que produzimos no campo. Tem países – não quero citar nomes para não ter polêmica, mas o pessoal deve saber qual país europeu está interessado nisso – que nos acusam de ser terroristas ambientais”, continuou o presidente.

Além de países europeus e a imprensa, ele acusou a esquerda de, supostamente, “se aproveitar” dos incêndios florestais para tentar prejudicá-lo. Bolsonaro também repetiu, a exemplo da fala à ONU, que, nas suas palavras, “o índio” e “o caboclo tocam fogo no roçado”.

“Fazemos o trabalho de conter o foco de incêndio, mas, problemas e medidas equivocadas no passado potencializam os incêndios”, alegou o presidente.

Nesse ponto, Salles voltou a defender o uso do fogo de forma preventiva para diminuir o acúmulo de matéria orgânica no solo. O ministro também repetiu a alegação de que o “núcleo” da floresta, por ser úmido, não estaria pegando fogo. “Pega no entorno da floresta, com a diminuição da vegetação pela intervenção humana ao longo de 500 anos”, acrescentou.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?