Política

Ao comentar vídeo de Bolsonaro, FHC fala em ‘crise de consequências gravíssimas’


A convocação feita pelo presidente Jair Bolsonaro para as manifestações contra o Congresso Nacional provocou nesta terça-feira, 25, reações no mundo político. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) usou o Twitter para criticar Bolsonaro. “A ser verdade, como parece, que o próprio Pr (presidente) tuitou convocando uma manifestação contra o Congresso (a democracia) estamos com uma crise institucional de consequências gravíssimas. Calar seria concordar. Melhor gritar enquanto se tem voz, mesmo no carnaval, com poucos ouvindo”, escreveu FHC.

Para o governador de São Paulo João Doria (PSDB), deve ser repudiado “qualquer ato que desrespeite as instituições e os pilares democráticos do País”.

Líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ) propôs uma reunião de emergência com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). “Esses absurdos, exageros e atropelos têm de parar”, disse Molon.

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), candidato derrotado à Presidência, também cobrou uma reação. “É criminoso excitar a população com mentiras contra as instituições democráticas”, postou Ciro no Twitter.

O jurista Miguel Reale Junior, autor do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, falou em “conspiração contra um dos Poderes da República”. “Não sei o que ele (Bolsonaro) tomou nesse carnaval para esse ato de tamanha ousadia. É gravíssimo. Convocar a nação para desconstituir um Poder está entre os itens que justificam um impeachment.” A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), disse que “é inacreditável que o presidente atente contra as instituições e a democracia”.

O deputado Marco Feliciano (sem partido-SP) defendeu Bolsonaro. “Estamos numa democracia”, disse Feliciano. O presidente do PSD, Gilberto Kassab, afirmou que “é hora de os bombeiros aparecerem”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.