Giro

Análise de DNA revela origem da Peste Negra

Crédito: Reprodução/Divulgação

As lápides inscritas e o material genético de corpos exumados de dois túmulos que datam do século XIII forneceram alguns dados concretos (Crédito: Reprodução/Divulgação)



Lápides no que é agora o Quirguistão revelaram detalhes tentadores sobre as origens da Peste Negra, o surto de peste mais devastador do mundo que se estima ter matado metade da população da Europa no espaço de sete anos durante a Idade Média.

A fonte dessa pandemia tem sido debatida pelos historiadores há séculos, mas as lápides inscritas – algumas das quais se referiam a uma misteriosa pestilência – e o material genético de corpos exumados de dois túmulos que datam do século XIII forneceram alguns dados concretos à respostas a esta pergunta de longa data.

+ Feriadão: como não deixar sua viagem se transformar em bomba de Covid

Os pesquisadores primeiro escavaram os locais de sepultamento na década de 1880. As inscrições da lápide, escritas na língua siríaca, foram cuidadosamente reexaminadas em 2017 pelo historiador Phil Slavin, professor associado da Universidade de Stirling, na Escócia. Ele notou que dos 467 enterros que foram datados com precisão, um número desproporcional – 118 – eram de apenas dois anos: 1338 e 1339. É uma revelação que ele descreveu como “surpreendente”.




“Quando você tem um ou dois anos com excesso de mortalidade, isso significa que algo estava acontecendo. (praga) realmente chegou à Europa”, disse Slavin em uma coletiva de imprensa.

“Sempre fui fascinado pela Peste Negra. E um dos meus sonhos era realmente poder resolver esse enigma de suas origens”, acrescentou.
Slavin e seus colaboradores descobriram que os restos mortais de 30 dos indivíduos enterrados nos túmulos do Quirguistão foram levados para o Museu de Antropologia e Etnografia Pedro, o Grande, em São Petersburgo, Rússia. A equipe de pesquisa conseguiu permissão para tentar extrair DNA dos esqueletos para entender como eles morreram.

Para sete dos indivíduos, os pesquisadores conseguiram extrair e sequenciar o DNA de seus dentes. Nesse material genético, eles encontraram o DNA da bactéria da peste – que os cientistas chamam de Yersinia pestis – em três dos indivíduos, todos com o ano de morte 1338 inscrito em suas lápides.


Isso confirmou que a pestilência mencionada nas lápides era de fato a praga, que é transmitida de roedores para humanos por meio de pulgas.

Em 1347, a peste entrou pela primeira vez no Mediterrâneo através de navios comerciais que transportavam mercadorias de territórios ao redor do Mar Negro. A doença então se espalhou pela Europa, Oriente Médio e norte da África, atingindo até 60% da população, de acordo com o estudo publicado na revista Nature na quarta-feira.

Alguns historiadores acreditam que a praga que causou a Peste Negra se originou na China, enquanto outros pensam que surgiu perto do Mar Cáspio. A Índia também foi levantada como uma possível fonte. A cepa da praga continuou a circular pelo mundo por 500 anos.

O estudo mais recente acrescenta uma riqueza de informações reveladas pelo sequenciamento de patógenos antigos , como a peste, que deixam uma marca genética no DNA humano.

Em 2011, os cientistas sequenciaram pela primeira vez o genoma da bactéria da peste – Yersina pestis – encontrada em duas vítimas da peste enterradas em um poço em Londres. Desde então, mais material genético foi recuperado de túmulos em toda a Europa e no sul da Rússia.

Este trabalho mostrou uma explosão na diversidade de cepas de peste – um big bang – que ocorreu na evolução da bactéria da peste em algum momento antes da Peste Negra devastar a Europa – provavelmente nos séculos 10 e 14.

Os pesquisadores envolvidos neste último estudo acreditam que a área ao redor dos dois cemitérios perto do Lago Issyk-Kul, no Quirguistão , deve ter sido a origem da cepa da peste que causou a Peste Negra, porque dois genomas antigos da peste que a equipe reuniu a partir dos dentes revelaram um único estirpe de peste que é o ancestral direto mais recente deste evento big bang. Isso o coloca bem no início do surto da Peste Negra e antes de chegar à Europa.

“Descobrimos que as cepas antigas do Quirguistão estão posicionadas exatamente no nó desse evento de diversificação massivo”, disse a principal autora do estudo, Maria Spyrou, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Tübingen, na Alemanha.

Outras evidências para apoiar a alegação dos pesquisadores do estudo vieram da comparação de cepas de peste encontradas em roedores modernos com aquelas sequenciadas nos cemitérios. Eles descobriram que as cepas de peste modernas mais intimamente relacionadas à cepa antiga são hoje encontradas em roedores selvagens, como marmotas, que vivem nas montanhas Tian Shan, muito perto dos dois túmulos.

“O que é realmente notável é que hoje, nos roedores que vivem nessa região, temos os parentes vivos mais próximos dessa cepa do big bang (de bactérias da peste)”, disse o autor sênior do estudo Johannes Krause, diretor do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva. em Leipzig, Alemanha.

“Encontramos não apenas o ancestral da Peste Negra, mas, na verdade, encontramos o ancestral da maioria das cepas de peste que circulam no mundo hoje.”

Ainda há muito que a equipe não sabe, como exatamente de qual animal a doença se espalhou para os humanos. Mas entender a origem da maior pandemia da história da humanidade pode ajudar a se preparar para futuras repercussões de doenças, disse Krause.

“Assim como a Covid, a Peste Negra foi uma doença emergente e o início de uma enorme pandemia que durou cerca de 500 anos. É muito importante entender realmente em que circunstâncias ela surgiu”, disse Krause.






Tópicos

4ª dose combate o quê? 4ª dose israel 4ª dose necessária 4ª dose vacinas a pandemia acabou? aglomerações álcool 70 Alemanha flexibilizações restrições anticorpo monoclonal anticorpos covid sintomas anticorpos infectados nova infecção anticorpos monoclonais Anvisa anvisa covid-19 assintomática omicron assintomatico transmite omicron astrazeneca trombose atraso das notificações aumento de casos autoteste coronavírus autotestes covid-19 avanço da vacinação contra a Covid-19 avanço do coronavírus AVCBA.1BA.2 baixíssimos índices de imunização BRASILCAPITAL MUNDIAL DA VACINA casos Cepa colombiana cepa colombiana é mais letal? cepa delta cobertura vacinal cobertura vacinal completa como funciona vacina pelo nariz? Como ocorre a transmissão da COVID-19? congestão nasal conter o avanço do coronavírus coriza coronavírus coronavírus alimentação coronavírus animais coronavírus estudos coronavírus soja corticoides covid covid covid anticorpos covid antiviral medicamento covid deixa sequelas? covid em idosos covid longa covid longa omicron covid medicamentos covid passa para animais covid remédios covid restrições covid risco cardíaco covid tratamento covid tratamentos Covid variantes Covid-19 covid-19 brasil covid-19 brasil 2022 covid-19 casos brasil covid-19 recorde brasil crianças de 5 a 11 anos cuidados Delta disseminação da BA.2 doença infectocontagiosa doenças doenças virais dor de cabeça dor de garganta dor muscular dor no corpo dose de reforço dose única doses de vacinas doses de vacinas contra a covid-19 efeitos permanentes eficácia da vacina endemia especialistas espirros Estados Unidos estudo Londres europa ainda tem restrições? evitar aglomerações fadiga falta de ar febre fim da emergência sanitária fim da pandemia Fiocruz flexibilização nas medidas de segurança Fortes chuvas gripe espanhola hábitos hábitos de prevenção do coronavírus HEALTH GROUP higiene Higiene Pessoal hospitalizações identificar idosos idosos têm que tomar 3ª dose? impacto global impacto global da nova variante imunidade populacional imunização imunizados imunizados naturais imunizados têm que usar máscaras índices de casos índices de imunização infecção infecções infectados imunizados infectologista infectologistas influenza King College letargia Londres mal estar máscara máscara de proteção máscara vacina máscaras vacina OMS medicamento anticovid MSD dinamarca medicamento MSD covid medicamentos para covid omicron medidas medidas de segurança morador da capital paulista mortes mortes causadas pela doença mortes por covid-19 mosquito Aedes aegypti nariz entupido notificações por mortes nova variante novas variantes novas variantes no mundo número de casos O que é a subvariante BA 2 do COVID-19? o que é ômicron xe? o que é trombose o que funciona covid O que tomar para a variante Ômicron da COVID-19? óbito zero omicron Ômicron BA.2 omicron quantos dias de isolamento Ômicron reinfecção ômicron subvariante ômicron xe OMS organização mundial da saúde origem pandemia perda de olfato perda de paladar pesquisador científico do ITpS peste negra pets têm covid? pilula contra covid pode haver duas infecções diferentes população acima de 18 anos População brasileira população completamente imunizada população paulistana população se descuida posso me infectar depois de vacinado? Posso não apresentar sintomas da COVID-19 prevenção do coronavirus Prevenir primeira dose primeira dose adicional primeiro dia sem mortes causadas pela covid-19 primeiros sintomas omicron principais sintomas da ômicron principais sintomas ômicron problema do coração professor de Medicina na Universidade Federal de São Carlos pronunciamento quadros leves quais os sintomas da omicron a nova variante Quais são os principais cuidados para evitar a contaminação familiar de COVID-19? Quantos dias para aparecer os sintomas da Omicron? quantos faltam vacinar? quantos vacinados tem o Brasil? que alimentos inibem o coronavírus Que máscara uma pessoa que suspeita ter COVID-19 deve usar? Quem deve seguir usando máscara? quem deve tomar 3ª dose? recomendações recomendações dos especialistas recorde casos covid-19 redução nas mortes regiões do Brasil reinfecção reinfecção coronavírus reinfeccao omicron Reino Unido remédios para covid omicron risco cardíaco risco de de doenças virais RJ restrições Rússia SARS-CoV-2 saúde SBIm segunda dose segunda dose adicional segunda dose da vacina sequelas covid sinais e sintomas da omicron sintomas sintomas da dengue sintomas da omicron em vacinados sintomas de gravidez sintomas ômicron sintomas pós covid omicron Sociedade Brasileira de Imunizações spray nasal covid Stabeli subavirante ômicron sublinhagem Ômicron BA.2 sublinhagens BA.1 e BA.2 subvariante subvariante BA.2 super imunes covid superanticorpo superimunes covid superimunes genes surgimento novas variantes no mundo taxa de população completamente imunizada teste covid farmacia testes tosse transmissão adolescentes crianças tratamento anticorpos monoclonais china tratamento covid longa Sus tratamento para covid omicron tratamento pós-covid Sus tratamento sequelas covid sus tratamentos tratar as doenças trombose vacina idosos Ufscar Unicamp united uso de máscara vacina 3ª dose vacina da Pfizer vacina duas doses protege mais que a de dose única? vacina intranasal vacina já sp vacina nasal covid eficiência vacina nasal covid pulmões vacina nasal quando chega vacina reinfecção vacina risco de trombose vacinação vacinação adolescentes vacinação contra a covid-19 vacinação nacional vacinados infectados imunidade variante delta variante delta países variante delta volta variante gama Variante gama é perigosa? variante gama Manaus Variante Gamma variante omicron ba 2 variante omicron é mais letal variante omicron letalidade variante omicron mortes variante omicron no brasil variante omicron no brasil sintoma variante omicron sintomas variante omicron sp variante omicron vacina variantes verão virologista vírus vírus da influenza vírus pandêmico vírus recombinante vítimas vítimas do vírus