Giro

Amazônia perdeu área similar a 2 mil campos de futebol por dia, diz Imazon

Crédito: Greenpeace/Divulgação

Amazônia Legal registrou recorde de desmatamento em 2022 (Crédito: Greenpeace/Divulgação)



Apenas nos cinco primeiros meses de 2022, a Amazônia Legal registrou recorde de desmatamento e em 151 dias derrubou 3.360 km² de floresta, conforme aponta levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgado na última sexta-feira, 17. A área desmatada é a maior em 15 anos e os municípios mais afetados são, respectivamente, Apuí (AM), Altamira (PA), Lábrea (AM), Novo Progresso (PA) e Novo Aripuanã (AM).

Governo cria grupo para decidir o que pode ser ‘classificado’ como desmatamento

Desmatamento dispara na Mata Atlântica brasileira, diz ONG

Phillips e Pereira, assassinados por tentarem ‘salvar’ Amazônia




Com 1.476 km² de floresta desmatada, o último mês de maio também foi o pior maio já registrado desde 2008, ano em que o Imazon passou a monitorar a Amazônia. O Estado do Amazonas é o que teve a maior área desmatada, e corresponde a 38% do desmatamento total registrado em maio.

O coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia do Imazon, Carlos Souza Jr., alerta para novos recordes nos próximos meses, fato a ser intensificado por causa da seca e das eleições, conforme nota divulgada pela instituição. Segundo o pesquisador, em ano eleitoral as fiscalizações tendem a diminuir e, portanto, há aumento da devastação.

Em relação à área degradada em maio, o Estado de Mato Grosso corresponde a 94% de todo valor registrado.


Os dados foram levantados pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), baseado em imagens de satélites, que oferece análises mensais sobre o ritmo da degradação e desmatamento na Amazônia.

O SAD considera degradação florestal quando há dano decorrente de exploração madeireira ou fogo. Já o desmatamento é analisado quando ocorre corte raso da floresta, sendo as principais causas a pecuária, agricultura e garimpo.

Terras indígenas invadidas

A terra indígena mais desmatada em maio foi a Apyterewa, localizada no Pará. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a região é de potencial conflito por causa da invasão de fazendeiros e gado que ameaçam indígenas. A T.I. Apyterewa foi homologada em 2007 e, desde então, a única possibilidade de atividade econômica na área precisa ser autorizada e conduzida pelos indígenas.

Ainda de acordo com o MPF, há 12 anos uma sentença judicial, que obriga o governo federal a retirar invasores e ocupantes não indígenas da TI Apyterewa, segue sem ser cumprida. Sem haver a retirada de invasores, a área permanece sendo palco de conflitos, inclusive contra agentes do Estado.

Entre novembro e dezembro de 2020, um grupo de 50 a 70 pessoas cercou uma base da Funai na TI Apyterewa e atacou agentes federais que realizavam fiscalização ambiental na região. Os invasores colocaram pregos em pontes, atiraram com armas de fogo, rojões e fogos de artifício contra fiscais e cercaram carros e motocicletas. O objetivo era impedir que a fiscalização prosseguisse, afirma o MPF.  As outras terras indígenas mais desmatadas em maio foram a T.I. Karipuna (RO) e T.I. Cachoeira Seca (PA).

Inpe

Os dados do Imazon vão ao encontro do que mostrou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, em maio. Pela primeira vez, a área derrubada da floresta ficou acima de mil quilômetros quadrados em abril, segundo dados de alertas do sistema Deter, do Inpe. Ao todo, foram 1.012 quilômetros quadrados perdidos, valor 74% maior do que o recorde anterior para o mês (580 km quadrados, atingidos em abril do ano passado). A área de 1 mil quilômetros quadrados equivale a mais de 140 mil campos de futebol.

A área desmatada em abril de 2022 é 165% maior em comparação com a média para o mês. Desde agosto do ano passado, os alertas de desmate estão batendo sucessivos recordes: em outubro, janeiro, fevereiro e agora em abril. Procurado, o Ministério do Meio Ambiente não se manifestou.

A gestão Jair Bolsonaro tem sido marcada por recordes nos índices de desmatamento, aumento de focos de incêndio florestal e críticas da comunidade internacional em relação à atuação do País na área.

Após uma série de compromissos assumidos pelo governo na Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP-26), em Glasgow, o embaixador britânico no Brasil, Peter Wilson, chegou a afirmar em entrevista ao Estadão em dezembro do ano passado que o País teria de provar que protege efetivamente o meio ambiente para conseguir atrair investimentos estrangeiros, incluindo o do Reino Unido. “O Brasil quer mais investimento em sua economia, mas, no futuro, não vai ser possível atrair os fundos maiores sem uma política ambiental clara nos níveis federal e estaduais”, disse Wilson.






Tópicos

1.476 km² de floresta desmatada 1.476 km² de floresta desmatada em maio 2022 A terra indígena mais desmatada em maio foi a Apyterewa Altamira (PA) Amazonas Amazonas 38% desmatamento total registrado em maio Amazônia Amazônia Legal Amazônia Legal desamatamento Amazônia Real ameaças de morte Apuí (AM) área degradada Amazônia área desmatada Amazônia área desmatada Amazônia maior em 15 anos área desmatada é a maior em 15 anos área desmatada maior em 15 anos arma de caça ARMA DE FOGO assassinato assassinato de Bruno e Dom assassinatos Atalaia do Norte atividades ilegais região atividades ilícitas Amazônia baleado Beatriz Matos boatos Bolsanoaro aventura Bruno Araújo Pereira bruno pereira comunicado da PF comunidade São Rafael congressistas brasileiros foram à Boa Vista coordenador funai corpos dados do Imazon degradação Amazônia desmatamento desmatamento expansão fazendas gados desmatamento na amazonia entre novembro e dezembro de 2020 grupo de 50 a 70 pessoas cercou uma base da Funai Estado do Amazonas é o que teve a maior área desmatada estudo Imazon estudo recorde de desmatamento Amazônia Legal cinco primeiros meses 2022 expansão gado Amazônia expansão gado área indígenas Floresta Amazônica grupo de 50 a 70 pessoas cercou uma base da Funai grupo de 50 a 70 pessoas cercou uma base da Funai na TI Apyterewa grupo de 50 a 70 pessoas cercou uma base da Funai na TI Apyterewa e atacou agentes federais que realizavam fiscalização ambiental na região Imazon indigenista indigenista e jornalista ingles desaparecidos índios informação corpos atribuída esposa Dom Phillips Inpe Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais jornalista jornalista ingles JORNALISTA/INDIGENISTA/AMAZONAS/DESAPARECIMENTO Lábrea/AM levantamento Imazon levantamento recorde de desmatamento Amazônia Legal cinco primeiros meses 2022 madeireiros ilegais MADEIREIROSO mais cinco envolvidos no assassinato de Bruno e Dom meio ambiente Ministério Público Federal ministro Anderson Torres mochila com pertences de desaparecedios MPF região é de potencial conflito MUNIÇÃO Novo Progresso (PA) e Novo Aripuanã (AM) operações 90 dias operações na calha do Rio Negro e Solimões 90 dias Oseney da Costa de Oliveira outras terras indígenas mais desmatadas em maio foram a T.I. Karipuna (RO) e T.I. Cachoeira Seca (PA) outras terras indígenas mais desmatadas em maio foram a T.I. Karipuna T.I. Cachoeira Seca Pelado da Dinha pescadores pesquisa Imazon PF diz somente ter encontrado material biológico no rio PF identifica envolvidos pior desmatamento em maio desde 2008 pior desmatamento maio desde 2008 pior maio desde 2008 recorde de desmatamento Amazônia Legal 2022 recorde de desmatamento Amazônia Legal cinco primeiros meses 2022 recorde desmatamento Amazônia Legal 2022 recorde desmatamento Amazônia Legal cinco primeiros meses 2022 recordes região é de potencial conflito invasão fazendeiros região é de potencial conflito invasão fazendeiros ameaçam indígenas região é de potencial conflito invasão fazendeiros ameaçam índios região é de potencial conflito invasão fazendeiros gado repórter Univaja Univaja diz ter encontrado possível vestígio de embarcação no Amazonas Univaja significado violência Amazônia