Ciência

Amazonas: ‘doença da urina preta’ atinge 44 pessoas e faz uma morte

Crédito: Pexels

Embora a rabdomiólise seja associada à ingestão de peixes, médicos ainda evitam restringir seu consumo devido à falta de provas científicas (Crédito: Pexels)

Com a confirmação de mais 11 casos de rabdomiólise nesta segunda-feira (30), o estado do Amazonas já acumula 44 casos confirmados. A síndrome está associada à Doença de Haff, popularmente chamada de “doença da urina preta”.



Segundo a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), a cidade de Itacoatiara registra a maioria dos casos, 34, e um óbito de uma mulher de 51 anos. Dez pessoas seguem internadas no município.

+ Covid-19: Amazonas flexibiliza medidas de restrição e distanciamento
+ PF desarticula quadrilha especializada em defensivos agrícolas ilegais

A doença é causada por uma toxina que pode ser encontrada em peixes como tambaqui, badejo, arabaiana e crustáceos como lagosta e camarão, segundo o Ministério da Saúde. Isso ocorre quando o alimenta não é guardado e acondicionado de maneira adequada. A Rabdomiólise é uma condição que provoca lesões musculares que liberam substâncias tóxicas na corrente sanguínea.

Quando a síndrome aparece após o consumo de peixes, é associada à Doença de Haff. No entanto, pode ocorrer na sequência de traumatismos, atividade física excessiva, infecções, crises convulsivas, consumo de álcool e outras drogas.



Relação com consumo de peixes
O infectologista da Fundação de Mecidina Tropical (FMT), Antonio Magela, declarou, ao site da FVS, que não há indicação para suspender o consumo de peixes no estado do Amazonas. Ele argumenta que o nível de consumo de peixe, em comparação com o número de casos da Doença de Haff, é mínimo. “Não há uma confirmação da causa real desses casos de rabdomiólise, que são associados à prévia ingestão de peixes”.

A coordenadora do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), Liane Souza, corrobora com a versão. “Não podemos proibir que as pessoas consumam peixes. Uma vez que o peixe é o alimento principal do amazonense”.

Sintomas
– Rigidez muscular repentina;
– Dores musculares;
– Dor torácica;
– Dificuldade para respirar;
– Dormência;
– Perda de força;
– Urina escura decorrente da limpeza de impurezas por parte do rim;
– Não há febre;
– Sintomas aparecem entre 2 e 24 horas após consumo dos peixes ou crustáceos


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?