Giro

Amazon terá que entregar produtos “comprados” de graça, diz especialista

Crédito: Divulgação / Amazon

Cupons de desconto da Amazon foram acumulados até produtos saírem de graça (Crédito: Divulgação / Amazon)



Na última quarta-feira (26) internautas brasileiros aproveitaram falhas no site da Amazon que estavam permitindo acumular vários cupons disponíveis nas compras. Alguns conseguiram “comprar” o leitor de e-books Kindle de graça. 

Nesta sexta-feira (28) diversos clientes da big tech estão reclamando do cancelamento das compras feitas, fazendo com que a hashtag #AmazonNoProcon chegasse aos assuntos mais falados no dia no Twitter. O Procon-SP já notificou a empresa após os cancelamentos.

+Amazon Brasil libera cupons para compras grátis e viraliza nas redes

A advogada especialista em direito civil e digital Martha Carbonell, que é CEO da Law 360, apontou que os clientes que se sentirem lesados por não receberem suas compras podem procurar os órgãos de defesa do consumidor, já que foi um problema que ocorreu no site.  



“A loja se propôs a fazer esse preço e o consumidor foi lá e aceitou a promoção. A ideia deles era dar desconto, só que ele foi sendo acumulado até que o produto ficou de graça. Quer dizer, era também uma forma de ganho para a empresa. Eles tinham condições de testar para prever esses problemas e não fizeram. Era um erro totalmente previsível”, encerrou.  

A empresa divulgou uma nota lamentando o ocorrido e que um erro no site permitiu que as compras fossem finalizadas. A Amazon disse que a promoção originalmente concedia um desconto não cumulativo de R$ 15 na primeira compra efetuada no site e, após a identificação do problema, foram cancelados os pedidos que não haviam sido enviados e que estavam em desacordo com os Termos e Condições.