Amazon e os bancos: exuberância e apatia irracionais?

Amazon e os bancos: exuberância e apatia irracionais?

No mundo de hoje, a Amazon vale um trilhão e meio de dólares. Enquanto isso, a somatória do valor de mercado dos quatro maiores bancos americanos – JP Morgan, Bank of America, Citibank e Wells Fargo – é menos da metade desse valor, cerca de US$ 700 bilhões.

Em janeiro, escrevi aqui no blog sobre a minha admiração pela Amazon. De fato, é uma empresa que se reinventa constantemente desde a sua criação, sempre olhando para o cliente. Não dá para subestimar uma organização que criou o marketplace, o Amazon Prime e o AWS. Esse posicionamento sempre um passo à frente da necessidade do cliente tem valor, e isso precisa se refletir no preço de mercado da ação. Quando escrevi em janeiro, AMZN negociava a um múltiplo de 80 vezes lucro. Hoje, esse múltiplo é de 150 vezes – e tem gente muito boa por aí dizendo que pode chegar a 170. Enquanto isso, o JP Morgan – a melhor franquia entre as instituições financeiras americanas, na minha opinião – vale 30% menos hoje do que valia ao final do ano passado.

Explicações não faltam para a ausência de ânimo do mercado com o setor financeiro: altamente regulado, exposto a risco de crédito e com margens comprimidas em função das baixas taxas de juros. Na minha visão, porém, a exuberância que o mercado atribui à AMZN é tão irracional quanto a apatia que deprime o JPM.

Não há dúvida de que o Covid-19 mostrou como nos tornamos dependentes de plataformas como a Amazon. Segundo o site Statista, uma pesquisa realizada em maio a respeito das mudanças que a pandemia provocou no estilo de vida dos americanos revelou que 52% dos entrevistados fizeram mais compras pela internet. É bastante razoável imaginar que, pelo menos para uma parte dessas pessoas, comprar mais online se transformou em um hábito que deverá continuar inalterado mesmo após a pior fase da pandemia. Isso, sem sombra de dúvida, aumenta o poder de alcance de plataformas digitais de vendas como a Amazon. Com isso crescem também audiência, tráfego, volume de transações, receita e, consequentemente, seu lucro.

Se a Amazon ficou com um pedaço maior do bolo do varejo durante a pandemia, interessante entender quem perdeu. Existem dados disponíveis indicando que, nos últimos meses, os clientes da Amazon aumentaram as compras de produtos de farmácia, comidas e bebidas, produtos de limpeza e para a casa, além de artigos para escritório. De maneira geral, ganhou a Amazon; perderam os supermercados e farmácias. O quanto dessa cultura será permanente somente o tempo vai dizer, mas tenho a impressão de que, com um mínimo de normalidade na saúde pública, boa parte das pessoas deveria voltar a frequentar farmácias e supermercados. Isso sem contar que quem não tinha e-commerce está correndo para colocar uma estrutura de pé, e quem tinha já tinha um sistema ruim está correndo para melhorá-lo. Entendo a valorização recente de empresas como a Amazon, mas o que já negociava a prêmios exagerados chegou, na minha visão, no campo do irracional.

Do outro lado do espectro, os bancos estão fortemente capitalizados e com liquidez abundante. Todos passaram pelo pânico dos mercados em março, constituíram provisões de crédito extraordinárias nos balanços e enfrentaram um teste de estresse do FED com louvor. Além disso, foram instrumentais na execução da política fiscal por meio da operacionalização dos empréstimos do programa PPP. Suas mesas de negociação de ativos se beneficiaram das intervenções do FED no mercado de crédito, e também com a volatilidade. O mercado de capitais não parou, e deve ter cada vez mais fôlego com a continuada execução das políticas fiscais expansionistas. Além disso, com a adoção rápida do home office e do internet banking, poderão executar mais rapidamente os programas de redução de custos. A temporada de divulgação de balanços começa nesta semana, e o que se espera é uma queda substancial dos lucros. Entretanto, é bem provável que o pior já tenha ficado para trás. A apatia do mercado com o setor é um exagero de pessimismo.

Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe. E vice-versa. Ser value investor, nesses últimos meses, tem sido uma contínua espera do mal se acabar. Entretanto, ter valor significa não ser efêmero, mas perene. E, ao final, o valor sempre aparece.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Norberto Zaiet é economista formado pela Universidade de São Paulo e com MBA pela Columbia Business School, em Nova York. Depois de passagens como executivo pelo banco alemão WestLB e pelo português Banco Espírito Santo de Investimento (BESI), Zaiet foi CEO do Banco Pine. Hoje vive em Nova York, onde é sócio-fundador da gestora de investimentos Picea Value Investors. Com foco no conceito de Value Investing, a Picea Value Investors nasceu em 2019 com alcance global e atuação principal no mercado de ações norte-americano. Mais informações em www.piceavalue.com


Mais posts

Bed Bath and Beyond: um caso clássico de Value Investing

Já escrevi sobre a Bed Bath and Beyond (BBBY) aqui no blog em dezembro do ano passado. À época, as ações da empresa (que atingiram o [...]

Value Investing ainda funciona?

A recente baixa performance ligada ao conceito de Value Investing, especialmente quando comparada às estratégias de crescimento, leva [...]

A eleição americana vai entrar no radar

Estamos a menos de 60 dias das eleições americanas e o mercado parece ainda não ter se interessado pelo assunto. Antes do surgimento da [...]

O flagelo do setor elétrico americano

O artigo de hoje chega uma semana atrasado. O motivo está longe de ser glamouroso: várias partes do estado de Nova York ficaram sem [...]

Tesla no S&P 500

Como value investor, escrever sobre a Tesla é um verdadeiro contrassenso. Acredito que não há, negociando nas bolsas americanas, algo [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.