Giro

Airbnb fechará negócios domésticos na China a partir de 30 de julho

Crédito: Dado Ruvic/Reuters

Logo da Airbnb visto por meio de um celular: bye bye, China (Crédito: Dado Ruvic/Reuters)



Por Josh Ye e Brenda Goh

HONG KONG/XANGAI (Reuters) – O Airbnb irá encerrar todos os anúncios e experiências na China Continental a partir de 30 de julho, informou a empresa de aluguel por temporada nesta terça-feira, juntando-se a uma longa lista de plataformas de internet ocidentais que optaram por sair do mercado chinês.

Airbnb aposta em viagens no meio do ano para impulsionar crescimento de receita

China assina protocolo para importação de milho brasileiro



Brasil e China anunciam diversificação na pauta comercial do agronegócio

A companhia norte-americana fez o anúncio em sua conta oficial do WeChat sem detalhar as razões por trás da decisão e disse que os usuários chineses ainda poderão fazer reservas no exterior.

“Tomamos a difícil decisão de reorientar nossos esforços na China em viagens externas e suspender nossas casas e experiências de anfitriões na China, a partir de 30 de julho de 2022”, escreveu o cofundador do Airbnb, Nathan Blecharczyk.


O jornal Global Times, citando uma fonte próxima à empresa, disse que o Airbnb decidiu fechar o negócio doméstico porque era muito caro e complexo de operar, o que foi ainda mais impactado pela pandemia do Covid-19.

O Airbnb não respondeu a um pedido de comentário.

A empresa se junta a uma longa lista de empresas ocidentais de internet, como Linkedin e Yahoo, que se retiraram da China nos últimos meses.

A CNBC noticiou primeiro a decisão do Airbnb nesta terça-feira. O New York Times também informou que o Airbnb removeria cerca de 150 mil anúncios na China, dos seis milhões que tinha em todo o mundo. As estadias chinesas representaram cerca de 1% dos negócios do Airbnb nos últimos anos, segundo a reportagem.

Fundada em 2008, a Airbnb começou a prestar serviços na China Continental em 2015. A empresa fez esforços para integrar seus serviços, incluindo a integração com plataformas chinesas como o WeChat, da Tencent. Seus principais rivais chineses são Tujia, Xiaozhu e Meituan.

A empresa de aluguel por temporada Meituan Minsu, disse na terça-feira que formou uma equipe especial para ajudar os anfitriões existentes do Airbnb a colocar anúncios em sua plataforma. A Tujia fez um anúncio semelhante no início do dia.

(Reportagem de Josh Ye em Hong Kong, Brenda Goh em Xangai e Ella Cao em Pequim)

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4N0QJ-BASEIMAGE