Geral

Água contaminada pode causar doenças em servidores da Secretaria do Meio Ambiente em SP

Crédito: Reprodução/ Google

Água pode estar contaminada com touleno (Crédito: Reprodução/ Google)

Os trabalhadores da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo (Sima) estão tendo que trabalhar no prédio da instituição mesmo com suspeitas de água contaminada, de acordo com denúncia da Associação dos Especialistas Ambientais do Estado de São Paulo (AEAESP). 

O ofício 01 de 2022 da associação dá conta que funcionários da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) alertaram de maneira informal os trabalhadores que atuam na secretaria que a água dos prédios 6 e 12 estavam contaminadas com tolueno.



+Bolsonaro corta R$8,6 mi de controle de incêndios florestais em Orçamento

Em baixas quantidades a substância pode causar fadiga, sonolência, debilidade e náusea.  E a inalação por longo prazo pode irritar as vias aéreas superiores e os olhos e causar dor de garganta, tontura e cefaleia e nos casos mais graves, perdas auditivas e até surdez.

O ofício aponta que os problemas começaram após uma obra feita no prédio 12 e que no final de 2021 alguns funcionários passaram mal ao consumir a água do local. De acordo com depoimentos, o bebedouro do prédio foi interditado por um dia e depois foi liberado novamente, sem que fosse transmitida nenhum tipo de informação.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Trabalhadores ouvidos pela reportagem apontam que a recomendação é que todos sigam trabalhando normalmente e quando necessitarem usar a água para consumo ou higiene pessoal, eles deixem os prédios 6 e 12 e se dirijam a outros locais.  

A Sima respondeu a reportagem em nota dizendo que as primeiras avaliações da Cetesb não identificaram a presente da tolueno e que um novo laudo deve ficar pronto até a próxima quinta-feira (27). Confira a nota na íntegra.


A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente tomou conhecimento acerca de eventual contaminação da água no prédio 6 na última quinta-feira (20), por meio da própria Cetesb e, posteriormente, via ofício da Associação dos Especialistas Ambientais do Estado. As primeiras análises da CETESB, responsável pelo prédio, não indicaram a presença de tolueno. Um novo laudo deve ficar pronto até a próxima quinta-feira (27). Também não houve, junto ao RH da secretaria, registro de servidores que passaram mal após contato com a água.
Como medida preventiva, imediatamente os bebedouros e torneiras foram lacrados, e galões de água foram disponibilizados para abastecimento e higienização.
Não há reuniões no Consema previstas nesta segunda, nem na terça-feira (25) – Ponto facultativo – e como reforço à prevenção, os servidores estão sendo orientados a permanecerem em teletrabalho até o dia 27.