Semanal

AgroGalaxy quer testar a temperatura do mercado para novos IPOs do agro

Crédito: Pixabay

Após desistir do IPO originalmente previsto para março, AgroGalaxy estuda abrir o capital na B3 com oferta restrita de ações, apenas para investidores profissionais (Crédito: Pixabay)

Em março, a rede de distribuição de insumos agrícolas AgroGalaxy, do fundo de private equity Aqua Capital, pretendia fazer seu IPO. A estreia de mais uma empresa do agro na B3 reforçaria a presença do setor, ainda pouco representado, na bolsa de valores. Mas os planos sofreram mudanças. A empresa desistiu da oferta e, na ocasião, afirmou que as condições do mercado haviam se deteriorado muito. Não foi um caso isolado: outras companhias também decidiram rever suas estratégias e prorrogar seus IPOs.

Aos 90 anos, João Lyra vê Laginha Agroindustrial dever mais de RS$ 3 bilhões

Vitreo cria fundo Agro com investimento inicial a partir de R$ 100

Agora, a AgroGalaxy decidiu testar novamente a temperatura do mercado. Em fato relevante divulgado na segunda-feira (28), a empresa afirmou que avalia a possibilidade de fazer sua estreia por meio de uma oferta restrita. A operação será coordenada por Itaú BBA, XP Investimentos, UBS, Banco ABC Brasil e Banco Safra. 



A expectativa de captação e o preço das ações ainda não foram divulgados, e a decisão ainda está sujeita à aprovação dos sócios, bem como a condições favoráveis dos mercados brasileiro e internacional. Mas a nota, assinada por José Maurício Mora Puliti, diretor financeiro e de relações com investidores da AgroGalaxy, dá algumas pistas de como a empresa enxerga as perspectivas atuais.

De um lado, a opção por uma oferta restrita, em que apenas investidores profissionais (aqueles com mais de R$ 10 milhões aplicados) podem participar, mostra que o mercado continua deteriorado. Embora menos burocrática, essa opção restringe a participação dos investidores. Uma oferta pública tem um alcance maior.

Um sinal dessa deterioração pode ser visto também no caso da produtora de açúcar e etanol Jalles Machado e da Boa Safra Sementes, as duas recentes empresas do agro que decidiram dar sequência à abertura de capital em 2021 e tiveram que aceitar preços de ações inferiores aos originalmente propostos. 

Do outro lado, há um interesse crescente do mercado de capitais pelo agronegócio. E outras companhias do setor já perceberam isso. A Raízen, por exemplo, anunciou recentemente que pretende abrir o capital ainda neste ano – e a negociação tem tudo para figurar entre as maiores da história da B3. A exportadora de grãos AgriBrasil também já protocolou seu pedido de IPO, confiante no desejo dos investidores por negócios com estratégia clara na questão da sustentabilidade.

Outro indicativo desse interesse é o desempenho dos papéis da Jalles Machado, cotados a R$ 10,37 no fechamento do mercado na terça-feira (29), alta de 12% desde a abertura do capital, em fevereiro. O potencial está claro. Uma oferta maior de empresas do agro listadas na B3 tende a beneficiar todo o setor.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago