Giro

Agricultura divulga relatório final sobre contaminação das cervejas da Backer

Crédito: Arquivo

As cervejas da Backer estavam contaminadas desde janeiro de 2019 (Crédito: Arquivo)

O Ministério da Agricultura divulgou na terça-feira, 4, o relatório final sobre as ações fiscais realizadas na cervejaria Backer após casos de contaminação da bebida da empresa, informou a pasta em nota na noite de terça-feira. Segundo o ministério, o relatório confirma a ocorrência de contaminações por monoetilenoglicol (MEG) e dietilenoglicol (DEG) desde janeiro de 2019 em cervejas produzidas pela marca.

“Isso afasta a possibilidade de este ser um evento isolado no histórico de produção da cervejaria”, informa a pasta.

+ Sobe para dez o número de mortos de intoxicação por cervejas Backer
+ Análises apontam contaminantes em cervejas da Backer desde janeiro de 2019

Além disso, o relatório ressalta que essas substâncias tóxicas não são produzidas pela levedura cervejeira em condições normais de fabricação da bebida.

A apuração indicou também que a Backer adotou “práticas irresponsáveis” ao utilizar líquidos refrigerantes tóxicos de forma deliberada em seu estabelecimento, em detrimento de alternativas atóxicas, como propilenoglicol e álcool etílico potável.

“A empresa também possui diversas falhas e lacunas em seus sistemas de controle e gestão internos, apresentando informações incompletas nos relatórios de produção e controles de rastreabilidade ineficientes”, informou o relatório, acrescentando que “as contaminações por MEG e DEG não estão restritas a lotes que passaram pelo tanque JB 10, ocorrendo também em cervejas elaboradas anteriormente à instalação deste tanque na cervejaria”.

Cita, além disso, que a cervejaria Backer seguirá interditada até que seja possível afirmar que não há riscos para a produção da bebida no local.

A companhia está fechada desde janeiro, por determinação do Ministério da Agricultura, e teve seus produtos recolhidos, tanto na empresa quanto no comércio de Minas Gerais, somando 79,48 mil litros de cerveja de várias marcas e diversos lotes, sendo 56,65 mil garrafas com riscos aos consumidores.

“No Espírito Santo, os resultados das análises indicaram 9.047 garrafas de cerveja contaminada retiradas dos mercados, totalizando 5,42 mil litros”, diz a pasta.

Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido um posicionamento dos citados.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel