Os grandes bancos brasileiros agora vão brigar nas estradas

Os grandes bancos brasileiros agora vão brigar nas estradas

A disputa entre Itaú, Bradesco e Banco do Brasil costuma se concentrar no mundo das finanças. Mas, a partir do próximo dia 9 de maio, a contenda vai parar nas estradas. É que o Bradesco e o Banco do Brasil vão lançar oficialmente, por meio da empresa de benefícios Alelo, a companhia Veloe. Voltada para o mercado de pedágios e mobilidade urbana, a nova empresa vai competir, entre outras companhias, com a Conectcar, que tem o Itaú e o grupo Ultra como sócios. A meta da Veloe é atingir 1,5 milhão de clientes até 2020. Para isso, usará a capilaridade das agências bancárias do Bradesco e do Banco do Brasil para vender as famosas tags instaladas nos carros. Além de poder pagar pedágios e estacionamentos, a tag poderá ser sincronizada com o cartão de crédito do cliente para que ele possa abastecer nos postos de combustíveis e até pagar comida em drive thru. Raul Moreira, CEO da Alelo, acredita que várias soluções de pagamento vão migrar para o veículo.

(Nota publicada na Edição 1067 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Gabriel Baldocchi e Moacir Drska)

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.