Artigos

Agentes de apresentadora britânica que cometeu suicídio criticam a Justiça

Agentes de apresentadora britânica que cometeu suicídio criticam a Justiça

Caroline Flack em 21 de fevereiro de 2018 em Londres - AFP/Arquivos


Os agentes da apresentadora de televisão britânica Caroline Flack acusaram a Promotoria de querer montar um “julgamento espetáculo” contra uma personalidade “vulnerável”, depois do suicídio no sábado da estrela que seria julgada por supostamente agredir seu namorado.

Após o anúncio de sua morte, um advogado da família confirmou que Caroline Flack havia cometido suicídio.

‘Agente’ Maria Butina vira apresentadora de TV na Rússia

Ex-apresentadora da Globo recorre à Justiça para disputar eleições deste ano

 

Conhecida por apresentar o reality show “Love Island”, Caroline Flack, de 40 anos, seria julgada em março. Detida em dezembro, ela foi acusada de bater no namorado com uma lâmpada enquanto ele dormia em seu apartamento em Londres, segundo anunciou a Promotoria em janeiro.

O namorado de Caroline Flack voltou atrás nas acusações em uma mensagem no Instagram, alegando finalmente “que ela não o havia atingido com uma lâmpada”. Neste domingo, ele publicou na mesma rede social uma homenagem à falecida, dizendo estar com “coração partido”. “Estou tão perdido que não tenho palavras, estou sofrendo tanto, sinto tanto a sua falta”, escreveu Lewis Burton.

A Promotoria “deveria refletir sobre a maneira como organizou um julgamento espetáculo que não era apenas infundado, mas também sem qualquer interesse público. E que finalmente provocou grande estresse sobre Caroline”, consideraram os agentes da apresentadora.

“Caroline estava sob enorme pressão nos últimos meses por causa desse caso e de um possível processo adiado muitas vezes”, disse Francis Ridley, da Money Talent Management.

O futuro do programa “Love Island”, transmitido no canal ITV, é incerto após uma série de dramas. Caroline Flack é a terceira personalidade ligada a este programa a cometer suicídio, depois de Mike Thalassitis e Sophie Graydon, dois participantes.

A imprensa cobriu amplamente o assunto, colocando Caroline Flack na primeira página após sua detenção. Seu suicídio voltou a ser manchete neste domingo nos tabloides britânicos.