Ciência

Agência Europeia examina coquetel de anticorpos da AstraZeneca contra a covid-19

Agência Europeia examina coquetel de anticorpos da AstraZeneca contra a covid-19

Unidade do grupo AstraZeneca em Macclesfield, região central da Inglaterra - AFP

O órgão regulador europeu de medicamentos anunciou nesta quinta-feira (14) que começou a testar um coquetel de anticorpos AstraZeneca contra covid-19, o que pode levar à autorização para seu uso na União Europeia.

O laboratório garante que pode ser eficaz na prevenção de covid-19 em pacientes frágeis.

Testes mostraram que a droga AZD7442, uma combinação de anticorpos, reduz sintomas graves e mortes por covid-19, informou o grupo sueco-britânico AstraZeneca na segunda-feira.

A decisão de examinar o coquetel de anticorpos, também conhecido como Evusheld, “é baseada em resultados preliminares de estudos clínicos, que sugerem que o medicamento pode ajudar a proteger contra doenças”, disse a Agência Européia de Medicamentos (EMA), com sede em Amsterdã.



Podem se passar meses entre o início de uma avaliação em andamento da EMA e uma possível autorização.

Os anticorpos monoclonais, que reconhecem uma molécula específica de um vírus ou bactéria, são versões sintéticas de anticorpos naturais.

Eles são administrados a pessoas que já foram infectadas para aliviar as deficiências do sistema imunológico. Eles diferem de uma vacina porque estimulam o corpo a produzir sua própria resposta imunológica.

A vacina da AstraZeneca é uma das quatro atualmente aprovadas pela EMA.

O ensaio do medicamento AZD7442 “produziu uma redução estatisticamente satisfatória em casos graves de covid-19 ou mortes relacionadas à doença em comparação com o placebo em pacientes ambulatoriais com sintomas leves a moderados” da doença, de acordo com a AstraZeneca.

O ensaio clínico envolveu 903 pessoas, 90% das quais eram pacientes com alto risco de desenvolver formas graves da covid-19.

A empresa farmacêutica suíça Roche entrou com uma ação na segunda-feira para comercializar seu coquetel de anticorpos sintéticos Ronapreve na União Europeia.

Na semana passada, a EMA anunciou que em poucos dias poderá começar a examinar uma pílula produzida pelo laboratório americano Merck.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km