Geral

Agência aeroespacial do Japão vai lançar robô lunar em 2022

Crédito: Divulgação/Jaxa

O robô japonês será transportado para a superfície lunar pelo módulo lunar do ispace e deve ser responsável por adquirir dados (Crédito: Divulgação/Jaxa )

A Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (Jaxa) pretende obter dados na superfície lunar utilizando um robô lunar transformável em formato de bolinha. A expectativa é que os dados coletados auxiliem no projeto do rover pressurizado tripulado estudado.



A projeção é que o robô lunar transformável seja lançado em 2022. Ele será transportado para a superfície lunar pelo módulo lunar do ispace e deve ser responsável por adquirir dados.

+ NASA quer pousar o seu robô VIPER na Lua em 2023
+ Rússia alerta Disney a não distribuir curta-metragem com personagem gay

De acordo com a Jaxa, enquanto o robô viaja na superfície lunar, as imagens sobre o comportamento do regolito e as imagens da superfície lunar obtidas pelo robô e a câmera do módulo lunar serão enviadas para o centro de controle da missão através do módulo lunar.

O robô lunar transformável está sendo desenvolvido em conjunto pela JAXA, TOMY Company, Ltd. (Tomy Company), Sony Group Corporation (Sony) e Doshisha University. O transporte do robô para a Lua será conduzido pela ispace do Japão, inc. (ispace).



 


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?