Giro

Afago a Putin e gafe: a participação de Bolsonaro em reunião do Brics

Crédito: Reprodução TV Brasil

Bolsonaro agradeceu o presidente russo Vladimir Putin pela acolhida em sua viagem à Rússia (Crédito: Reprodução TV Brasil )

O presidente Jair Bolsonaro participou, nesta quinta-feira (23), da cerimônia virtual de abertura da 14.ª Cúpula do Brics, bloco que reúne o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Em seu discurso, Bolsonaro agradeceu o presidente russo Vladimir Putin pela acolhida em sua viagem à Rússia, em fevereiro, e repetiu uma gafe duas vezes ao pronunciar o sobrenome do presidente da África do Sul Cyril Ramaphosa. Em vez de “Ramaphosa”, Bolsonaro disse “raposa”.



O líder brasileiro não citou a guerra entre Rússia e Ucrânia, mas falou de seus efeitos. “O atual contexto internacional é motivo de preocupação, em razão dos riscos aos fluxos de comércio e investimentos e à estabilidade das cadeias de abastecimento de energia e alimentos. A resposta do Brasil a esses desafios não é se fechar ao resto do mundo. Pelo contrário, temos procurado aprofundar nossa integração econômica”, disse o presidente.

Foi a primeira vez que Vladimir Putin participou de um evento com líderes das maiores economias emergentes desde o início da guerra da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Datafolha: Lula tem 47% das intenções de voto; Bolsonaro, 28% e Ciro, 8%

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Bolsonaro cobrou uma reforma da Organização das Nações Unidas (ONU), com foco no Conselho de Segurança.

“Devemos somar esforços em busca da reforma das organizações internacionais, como o Banco Mundial, o FMI [Fundo Monetário Internacional] e o sistema das Nações Unidas, em especial o seu Conselho de Segurança”, disse Bolsonaro.


“O peso crescente das economias emergentes deve ter a devida e merecida representação”, afirmou o presidente brasileiro.

Das nações que compõem o Brics, apenas a África do Sul está fora do Conselho de Segurança. Rússia e China são membros permanentes do colegiado, e Índia e Brasil estão entre os membros rotativos.