Negócios

Adidas e Puma aderem boicote ao Facebook

Crédito: Reprodução/Adidas

As marcas de roupa esportiva Adidas e Puma aderiram ao movimento de interromper os seus anúncios no Facebook e Instagram em razão do combate ao discurso de ódio nas plataformas (Crédito: Reprodução/Adidas)

As marcas de roupa esportiva Adidas e Puma aderiram ao movimento de interromper os seus anúncios no Facebook e Instagram em razão do combate ao discurso de ódio nas plataformas. Ontem (29), a Ford, a Microsoft e a varejista americana BestBuy também se juntaram à campanha.

Com essas, são cerca de 200 marcas que decidiram boicotar o Facebook, entre elas Coca-Cola, Levis, Starbucks e Unilever. O movimento “Stop the Hate for Profit”, criado pela Liga Anti-Difamação (ADL), pede para que empresas suspendam suas publicidades nas plataformas durante o mês de julho.

+ Perda de anunciantes do Facebook chega a Ford e Microsoft e pode afetar imagem
+ Inatividade contra o racismo pode custar caro ao Facebook 

Por enquanto, o impacto financeiro do boicote ao Facebook ainda é pequeno. Uma estimativa publicada na imprensa internacional mostra que, caso 25 dos 100 maiores anunciantes da empresa suspendam suas propagandas, o impacto será de US$ 250 milhões nos resultados do terceiro trimestre. Com 50 empresas, será de US$ 500 milhões. A quantia apesar de alta, ainda é pequena ao se considerar que o Facebook faturou US$ 17,7 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança