Giro

Acionistas do Grupo Pão de Açúcar aprovam divisão do Assaí na Bolsa

Crédito: Divulgação - Pão de Açúcar

O Assaí, subsidiriária de atacarejo do Grupo Pão de Açúcar, terá suas ações listadas na Bolsa brasileira e na de Nova York (Crédito: Divulgação - Pão de Açúcar)

Os acionistas do Grupo Pão de Açúcar aprovaram aprovaram proposta de reorganização societária que prevê a cisão do Assaí, subsidiária de atacarejo. A decisão foi tomada em assembleias realizadas pelos acionistas do Grupo Pão de Açúcar e de sua subsidiária Sendas, razão social do Assaí, no dia 31 de dezembro.

De acordo com fato relevante divulgado em conjunto pelas empresas, o Assaí obteve o registro de companhia aberta categoria “A” perante a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) em 11 de dezembro de 2020.

+ Bolsa fecha em baixa de 0,14% e perde nível de 119 mil pontos na 1ª sessão do ano
+ Bolsas de NY fecham 1ª pregão de 2021 em baixa, com foco em restrições da covid

A empresa apresentou ainda pedido de listagem de suas ações no Novo Mercado da B3, Bolsa brasileira, e irá apresentar um pedido para que seus ADSs (American Depositary Securities) sejam listados na Bolsa de Nova York. A listagem separada ainda aguarda aprovação dos órgãos reguladores.



As ações e ADSs do GPA continuarão a ser negociadas com direito ao recebimento das ações do Assaí até a data de corte, a ser futuramente informada aos acionistas e ao mercado em geral.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel