Economia

Acionistas da Boeing processam o conselho de administração por gestão do 737 MAX

Acionistas da Boeing processam o conselho de administração por gestão do 737 MAX

Acionistas da Boeing processam o conselho de administração por gestão do 737 MAX - AFP/Arquivos

Os acionistas da Boeing apresentaram uma ação contra membros de seu conselho de administração, incluindo o CEO David Calhoun e seu antecessor Dennis Muilenburg, por não terem tomado as medidas necessárias para evitar a crise relacionada ao 737 MAX.

A ação, consultada nesta sexta-feira (25) pela AFP, foi iniciada em junho em um tribunal de Delaware, antes de ser atualizada em setembro.

Os denunciantes acusam os membros da direção, órgão que supostamente fiscaliza a gestão da empresa, de não terem implementado as ferramentas de avaliação e controle de segurança do 737 MAX antes dos dois acidentes fatais com aquele avião, que levaram à proibição mundial do modelo em março de 2019.

Eles mencionam, por exemplo, a ausência de uma comissão dedicada à segurança ou de um sistema de denúncias.

De acordo com a ação, os membros do conselho “não têm desculpa” por não terem garantido a segurança da aeronave, principalmente depois de terem sido alertados, em diversas ocasiões, sobre problemas no projeto, fabricação e comercialização de outras aeronaves da empresa.

Essas acusações foram fortemente refutadas pela Boeing. “Como esperado … em um processo como este, a denúncia apresenta uma versão tendenciosa e enganosa dos fatos das atividades da Boeing e de seu conselho de administração”, reagiu o porta-voz da empresa.

As ações são “infundadas” e a Boeing vai trabalhar para que a denúncia seja julgada improcedente antes do final do ano, acrescentou.

O Wall Street Journal, a bíblia dos círculos de negócios, foi o primeiro veículo de notícias a publicar uma matéria sobre o processo nesta sexta-feira.

Para apoiar as acusações, os demandantes apresentaram documentos internos da empresa. Alguns detalhes foram censurados por motivos de confidencialidade.

Membros do conselho e funcionários nomeados, como o diretor-financeiro Greg Smith, foram acusados de falhar em seu dever por não fazer o suficiente para garantir a segurança das aeronaves da Boeing.

Os autores da ação exigem que os conselheiros e executivos acusados reembolsem a Boeing pelos prejuízos econômicos gerados pela falta de fiscalização, além de todas as remunerações recebidas no exercício de suas funções.

A Boeing já é alvo de várias investigações sobre os acidentes envolvendo a Lion Air em outubro de 2018 e a Ethiopian Airlines em março de 2019, que deixou 346 mortes no total.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?