Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Acelerando para o futuro

A montadora alemã Mercedes-Benz decidiu recriar seu lendário carro de corrida W125. O veículo atingiu velocidade máxima de 432,7 km/h com o piloto Rudolf Caracciola, em 1938, na autoestrada A5, entre Frankfurt e Darmstadt. O recorde durou 79 anos e só foi quebrado no ano passado por um  Koenigsegg Agera RS. Mas, diferentemente do carro de corrida da década de 1930, o EQ Silver Arrow teve o potente motor de 12 cilindros substituído por um propulsor elétrico. O carro do futuro, feito em fibra de carbono, é impulsionado por uma bateria de 80 kWh, o equivalente a 750 cavalos de potência. Sua autonomia é de 400 km. O modelo foi apresentado como um carro-conceito na Monterey Car Week, um evento anual na Califórnia que tem mostrado as tendências da indústria.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Tenha o rascunho de Da Vinci

Um desenho que mostra São Sebastião amarrado a uma árvore e atribuído a Leonardo da Vinci (1452-1519) poderá alcançar um valor entre [...]

Relógio de luxo só para quem tem Bitcoin

A grife suíça Hublot acaba de lançar mais um relógio, o Big Bang Meca-10 P2P. A curiosidade é que ele só pode ser comprado em bitcoin e [...]

Comemore o gol com The Icon

Bebida e jogo sempre estão intimamente entrelaçados. Pelo menos, entre escoceses e ingleses, notórios beberrões. Agora a coisa virou [...]

Quer ser vizinho de Trump?

Basta desembolsar US$ 135 milhões e você poderá morar ao lado da mansão que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, possui em [...]

Diamante de Marilyn vai a leilão

O colar de diamantes “Lua da Baroda” tem lapidação em formato de pera e coloração amarelada nas pontas, mas o que o torna especial é o [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.