Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

Acelerando para o futuro

A montadora alemã Mercedes-Benz decidiu recriar seu lendário carro de corrida W125. O veículo atingiu velocidade máxima de 432,7 km/h com o piloto Rudolf Caracciola, em 1938, na autoestrada A5, entre Frankfurt e Darmstadt. O recorde durou 79 anos e só foi quebrado no ano passado por um  Koenigsegg Agera RS. Mas, diferentemente do carro de corrida da década de 1930, o EQ Silver Arrow teve o potente motor de 12 cilindros substituído por um propulsor elétrico. O carro do futuro, feito em fibra de carbono, é impulsionado por uma bateria de 80 kWh, o equivalente a 750 cavalos de potência. Sua autonomia é de 400 km. O modelo foi apresentado como um carro-conceito na Monterey Car Week, um evento anual na Califórnia que tem mostrado as tendências da indústria.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A mansão dos Kennedy

Jean Kennedy, única irmã viva de John Kennedy (1917-1963), ex-presidente dos Estados Unidos morto a tiros em Dallas, está vendendo a [...]

A arte de dormir

A marca britânica de design Savoir Beds quer que as obras de artistas como Rembrandt, Claude Monet, Leonardo da Vinci e Vincent Van [...]

Joia digital

A TAG Heuer, fabricante de relógios conhecida pelos seus modelos esportivos, acaba de lançar um relógio digital que mais parece uma [...]

A moto dos mares

A Trident Boats, empresa grega de locação de barcos, desenvolveu um jet ski com um design um tanto inusitado, inspirado em carros [...]

Nas montanhas

A Ultima Collection, famosa por seus hotéis de luxo, vai inaugurar em dezembro seu novo empreendimento na cidade de Crans-Montana, no [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.