Acelerando para o futuro


A montadora alemã Mercedes-Benz decidiu recriar seu lendário carro de corrida W125. O veículo atingiu velocidade máxima de 432,7 km/h com o piloto Rudolf Caracciola, em 1938, na autoestrada A5, entre Frankfurt e Darmstadt. O recorde durou 79 anos e só foi quebrado no ano passado por um  Koenigsegg Agera RS. Mas, diferentemente do carro de corrida da década de 1930, o EQ Silver Arrow teve o potente motor de 12 cilindros substituído por um propulsor elétrico. O carro do futuro, feito em fibra de carbono, é impulsionado por uma bateria de 80 kWh, o equivalente a 750 cavalos de potência. Sua autonomia é de 400 km. O modelo foi apresentado como um carro-conceito na Monterey Car Week, um evento anual na Califórnia que tem mostrado as tendências da indústria.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Delícia japonesa

Inari ŌKami é uma das principais e mais misteriosas divindades do xintoísmo japonês. Segundo a mitologia, representa prosperidade e [...]

O bracelete de R$ 16,5 milhões

Existem joias e existem tesouros em forma de joias. O bracelete desenhado pela renomada grife Carvin French se encaixa na segunda [...]

A sinuca de ouro da Rolls-Royce

Que tal jogar uma sinuquinha com os amigos, numa mesa produzida pela Rolls-Royce? Sim. A montadora de carros de luxo inventou de lançar [...]

Uma Louis Vuitton para o dia a dia

Uma das grifes mais celebradas do mundo fashion, a Louis Vuitton encanta mulheres de todo o planeta com suas peças lindas e luxuosas. [...]

Viagem (milionária) ao fundo do mar

O mundo submarino é lindo e fascinante. O genial escritor francês Julio Verne sabia bem disso, quando criou o clássico 20 mil Léguas [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.