Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

A volta dos que já foram?

A volta dos que já foram?

Numa fria: corpos são armazenados em tanques de nitrogênio líquido a 200ºC negativos

A empresa americana Alcor está cobrando US$ 200 mil para quem quiser ressuscitar no futuro. Instalada no estado do Arizona, a companhia trabalha com câmaras especiais que congelam os cadáveres a uma temperatura de 200 ºC negativos. A ideia é de que os corpos sejam preservados até que a tecnologia evolua e crie métodos de trazer pessoas mortas de volta à vida. Neurocientistas, contudo, desconfiam que a prática vá funcionar e mostram preocupação quanto aos efeitos nocivos do congelamento ao cérebro e aos órgãos humanos.

(Nota publicada na Edição 1060 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Sabotagem na Amazon

A Amazon está investigando um possível caso de sabotagem de seus serviços. De acordo com o jornal americano The Wall Street Journal, a [...]

Liderança roxa

A Nubank é a startup brasileira melhor colocada em um levantamento feito pela rede social LinkedIn. O estudo, divulgado na terça-feira [...]

Resposta instantânea

Mariano Gomide, co-CEO da VTEX, desenvolvedora de soluções de computação em nuvem para e-commerces

Sinal ruim

As vendas de celulares no Brasil caíram no primeiro semestre do ano. De acordo com a consultoria IDC, foram vendidos 24,1 milhões de [...]

Turista espacial

O empresário japonês Yusaku Maezawa é o primeiro cliente da SpaceX, empresa de exploração espacial do bilionário Elon Musk. Com fortuna [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.