Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

A vida imita a arte (ou quase isso)

A vida imita a arte (ou quase isso)

A Netflix acertou em cheio com o filme Bird Box. Em uma semana, mais de 45 milhões de usuários da plataforma de streaming acessaram o conteúdo estrelado pela atriz americana Sandra Bullock. Porém, nem tudo é motivo para comemoração. Em sua conta no Twitter, o perfil oficial da empresa quase implorou para que os fãs da produção não imitassem os personagens do filme, que saem vendados pelas ruas com receio de serem contaminados por uma espécie de vírus mortal caso abram os olhos. Desde o fim de dezembro, centenas de vídeos de pessoas andando, correndo e até mesmo dirigindo veículos com os olhos vendados viralizaram na internet.

(Nota publicada na Edição 1102 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Fim da fila em empreendedorismo feminino

São Paulo, única cidade brasileira no ranking das 50 cidades mais promissoras para o empreendedorismo feminino, ocupa o fim da fila no [...]

1,025 bilhão

Número de downloads feitos em aparelhos Android do game Subway Surfers. É o app de jogos mais baixado (Nota publicada na Edição 1130 da [...]

Toys “R” us volta tecnológica e e imersiva

Uma virada e tanto. Nada menos que isso. A Toys “R” Us, icônica rede varejista de brinquedos americana que faliu no ano [...]

Google e Facebook entram na lista de veículos de comunicação

Google, Facebook e suas plataformas coligadas, como YouTube e Instagram, passaram a ser classificados como veículos de comunicação. A [...]

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Bill Gates soltou a língua. Há duas semanas resolveu dizer numa entrevista qual foi o maior de todos os erros que cometeu na carreira [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.