A vez do crowdfunding

A vez do crowdfunding

A Bricksave, empresa de crowdfunding imobiliário sediada em Londres, com escritório em São Paulo, está confiante no crescimento do mercado de imóveis. Sob comando da argentina Sofia Gancedo, a companhia acredita que o setor imobiliário será o destino de grande parte dos investimentos globais neste ano, e uma oportunidade para o investidor brasileiro, que encontra um porto seguro em moeda forte e baixo risco.

Segundo ela, o desafio do crowfunding no Brasil é tornar essa modalidade de investimento mais conhecida, principalmente entre perfis mais conservadores como o brasileiro, que ainda guarda cerca de R$ 800 bilhões em cadernetas de poupanças, com um rendimento pouco atrativo.

Na Bricksave, por exemplo, o investidor faz tudo pelo site. Cadastra, escolhe a propriedade, aplica um mínimo de US$ 1 mil, apresenta uma cópia do passaporte e assina um contrato, tudo on-line. A consultoria PwC estima que o valor do investimento em crowdfunding imobiliário será de US$ 250 milhões no mundo até 2030, tornando-se um dos segmentos com maior crescimento internacional.

(Nota publicada na edição 1206 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.