A revolução em pacote

A revolução em pacote

Em estilo midiático, com direito a travessia a pé pela esplanada dos ministérios até o Congresso, a esquadra do governo, comandada em pessoa por Jair Bolsonaro e por seu czar da economia, Paulo Guedes, quis fazer bonito na entrega do pacote econômico que promete ser a mais ousada e profunda revisão do Estado nos últimos tempos. Na base de PECs, que exigem uma forte adesão dos parlamentares na votação, a gestão bolsonarista tenta mudar tudo. Da política de contratação e pagamento dos servidores até a relação com os estados e municípios via um pacto federativo que promete transferir cerca de R$ 400 bilhões, em 15 anos, a essas unidades.

O problema esbarra, de saída, justamente na grandiosidade e complexidade das propostas. Muitos críticos apontam que se cada uma delas tivesse sido enviada de maneira separada haveria mais chances de uma aprovação rápida. Não foi assim. E o que é pior: a fase de tramitação prevista será a mais difícil possível. As discussões irão, na prática, correr ao longo do ano que vem, quando o País mergulha mais uma vez em campanha eleitoral e os políticos, nessa temporada, fogem como o diabo da cruz de discutir qualquer tipo de medida amarga que afete os votos nas urnas. E no conjunto de sugestões de Guedes elas são muitas.

A começar pelos ajustes fiscais até a extinção de cidades com menos de 5 mil habitantes. O potencial de resistência às transformações é enorme. Até porque, no momento, o governo não conta sequer com uma articulação suficientemente forte nem com uma base aliada consistente para brigar por suas ideias diante dos opositores. São dificuldades concretas, mas que não tiram o mérito de ser esse um marco na gestão financeira da coisa pública. Não há quem possa ser contra o enxugamento do Estado. A política liberal proposta pela equipe econômica – e que se estende para além da reforma administrativa – começou afinal a ganhar corpo e forma.

A flexibilização de gastos em educação e saúde pode ser polêmica, mas a descentralização de recursos da União é, por sua vez, inevitável. Guedes quer ainda buscar fôlego extra, da ordem de R$ 220 bilhões, dos fundos orçamentários para abater dívida e espera, em dois anos, reduzir em R$ 28 bilhões as despesas obrigatórias. São números reluzentes, com ajustes que revigoram a Federação e aliviam o déficit. São mudanças necessárias. As discussões agora residem na seguinte indagação: serão viáveis? Somente o tempo dirá e ele pode se estender além do pretendido pelo governo.

(Nota publicada na Edição 1146 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Davos à brasileira

Para o Brasil, a reunião anual de Davos, que congrega alguns dos mais estrelados financistas, empresários e políticos do mundo, se [...]

Os chineses voltaram

A boa nova no campo dos investimentos no País é o retorno dos chineses ao tabuleiro. E é bom considerar e estimular esse retorno. [...]

As apostas estão no ar

Como em todo o início de ano – e não poderia ser diferente – está aberta a temporada de otimismo e de apostas positivas para a [...]

O Brasil em alta

O upgrade de prestígio do Brasil no mercado nos últimos dias foi apenas mais uma das evidências de que o País vem se transformando na [...]

Desigualdade inaceitável

Não é apenas um problema econômico. Mas social e político, por que não? Como o Brasil pôde cair tão baixo no índice de Desenvolvimento [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.