Edição nº 1138 16.09 Ver ediçõs anteriores

A reforma possível

A reforma possível

O projeto ainda em andamento no Congresso e que levará alguns meses até passar por todos os crivos para a aprovação final é efetivamente o que se pode definir como a reforma da Previdência possível, com todas as nuances, eventuais mudanças de rumo, ajustes e enxertos que retratam de maneira cristalina o conjunto de forças da sociedade brasileira. Os lobbies de última hora, as resistências políticas, as intervenções indevidas do chefe da Nação, as ausências sentidas de estados e municípios no texto, cada um dos capítulos dessa odisseia traduz à exaustão o que é o País de hoje: um conjunto multifacetado de interesses que, na prática, guardam pouca coisa em comum.

Os setores privilegiados tentaram e continuam tentando manter suas vantagens. Os policiais apadrinhados por Bolsonaro lutam por uma integralidade do benefício e pela paridade indevida com profissionais da ativa. Querem se aposentar com 100% da última remuneração do cargo efetivo que ocupam e o direito a receber os mesmos aumentos dos colegas da ativa. Sem contar o desejo de eliminação da idade mínima para requerer a aposentadoria. No caso específico, vale o registro de que uma emenda constitucional de 2003 acabou com os regimes de integralidade e de paridade.

A volta ao sistema configuraria um precedente e um retrocesso gigantesco. E nesse jogo de pressões e acordos paralelos, a reforma vai tomando as feições finais. As peças ainda estão sendo lançadas. O presidente Bolsonaro fala em corrigir “equívocos”, um eufemismo para introduzir mudanças simpáticas aos grupos de interesse que lhe dão sustentação. De uma coisa ninguém mais duvida e já há aí um enorme avanço: todos concordam que é reformar ou reformar o sistema. Uma pesquisa recém-concluída dá conta de uma reviravolta no ânimo geral da população quanto ao tema. Pela primeira vez, a maioria se mostrou a favor da reforma.

O reflexo desse sentimento é direto e automático no comportamento dos parlamentares. É preciso de todo modo se ter em mente que a reforma não é uma bala de prata. Trata-se de um paliativo. Sem ações adicionais no campo econômico, dificilmente a retomada se dará no ritmo desejado. Existe uma extensa lista de medidas a ser adotadas de imediato para a reversão da crise e uma reportagem especial nesta edição trata a fundo o assunto. Quanto ao ânimo em voga no País, é preciso manter o otimismo. De uma maneira ou de outra, os passos estão sendo dados na direção correta, com o apoio e esforço de todos os poderes constituídos. Quem sabe logo virão mais boas novas.

(Nota publicada na Edição 1129 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O delírio de Cintra com a CPMF

Era por demais previsível a queda do titular da Receita Federal, Marcos Cintra, que acabou acontecendo na última quarta-feira 11, em [...]

Sobra dinheiro para os políticos

É de uma tremenda desfaçatez o aumento generoso que o Governo planeja dar, da ordem de 48%, no fundo eleitoral para o ano que vem. Isso [...]

Rumo ao “shutdown”

O Estado vai parar por inanição financeira. Será o que nos EUA se convencionou chamar de “shutdown”, para explicar o colapso [...]

“Não tem dinheiro”

Alguém precisa avisar ao presidente Jair Bolsonaro que dinheiro não dá em árvore. Ele desprezou recursos internacionais para fins de [...]

A interminável milonga Argentina

É um drama marcado por desequilíbrios, notas fora do tom e recorrentes apelos de saudosistas. A cada troca de guarda a Argentina parece [...]
Ver mais