A moda é vender pela internet

A moda é vender pela internet

O comércio eletrônico ganhou 135 mil novas lojas desde o começo de março, com o avanço da pandemia, e o segmento de roupas e acessórios cresceu 34,9% em faturamento no mesmo período, segundo a associação do setor, a ABComm. Parte desse crescimento passou pelo marketplace de moda Ozllo, fundada pela empresária Zoë Póvoa, que registrou uma expansão de 185% em relação ao número de marcas parceiras e de 10% de pessoas físicas vendendo em sua plataforma. Além do e-commerce, a Ozllo ganhou uma nova sócia: a influenciadora Luisa Accorsi, que possui 1 milhão de seguidores no Instagram. “Sou influenciadora há dez anos, atuando no mercado de moda e consumo, e participar dessa transformação é muito importante para mim, como pessoa e como profissional”, diz Luisa.

(Nota publicada na edição 1180 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km




Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.