Economia

A mobilização financeira dos Estados e bancos centrais contra o coronavírus

A mobilização financeira dos Estados e bancos centrais contra o coronavírus

O presidente do Federal Reserve dos EUA, Jerome Powell - AFP/Arquivos

O banco central americano acelera sua ação com compras ilimitadas de títulos, Berlim dá as costas à ortodoxia orçamentária: governos e autoridades monetárias estão investindo bilhões e bilhões para apoiar uma economia global paralisada pela pandemia de coronavírus.

Estados Unidos

O Federal Reserve (Fed) anunciou nesta segunda-feira que não mais estabelecerá um limite para compras de títulos do Tesouro e títulos hipotecários.

O banco central, que recentemente retomou a compra massiva de dívidas, também divulgou uma série de medidas que permitem a uma ampla gama de empresas acessar dinheiro, incluindo um programa de assistência ao crédito de US$ 300 bilhões.

Por várias semanas, vem multiplicando os anúncios. Por exemplo, criou um novo mecanismo de financiamento de dívidas de curto prazo, usado pela última vez durante a crise financeira de 2008.

Também reduziu suas taxas para zero, um nível jamais atingido desde dezembro de 2008.

Por outro lado, a resposta econômica das autoridades públicas é mais lenta.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que o pacote de estímulo econômico, que o governo Trump tenta implementar no âmbito de duras discussões com os democratas, beneficiará os trabalhadores e não compreende um “plano de resgate” para empresas como companhias aéreas.

O plano de ajuda seria de US$ 1,3 trilhão, ladeado por medidas que permitiriam às empresas acessar empréstimos num montante de US$ 4 trilhões, uma soma que representa um quinto do produto interno bruto americano.

Essa proposta segue a adoção pelo Congresso de um plano de assistência social de US$ 100 bilhões.

Alemanha

Berlim adotou nesta segunda-feira medidas de centenas de bilhões de euros, inéditas desde a Segunda Guerra Mundial, para combater a recessão.

Em detalhes, a Alemanha anunciou uma extensão do orçamento federal de cerca de 100 bilhões de euros para este ano, a criação de um fundo de ajuda para grandes empresas e seus funcionários com a possibilidade de nacionalizações parciais, dotadas de até 600 bilhões de euros, e a capacidade do Estado de garantir empréstimos bancários a empresas em dificuldades aumentou de 357 bilhões de euros para 822 bilhões de euros.

No entanto, de acordo com o governo, esses números não podem ser somados porque parte dos financiamentos se sobrepõe.

O governo federal contrairá, pela primeira vez desde 2013, novas dívidas este ano, no valor de 156 bilhões de euros, rompendo com sua política de “déficit zero”.

BCE e Bruxelas

Até agora, o Banco Central Europeu (BCE) manteve suas taxas inalteradas, mas divulgou outras medidas mais ou menos técnicas.

Relaxou a regulamentação sobre os bancos para que continuem a emprestar às PME mais frágeis, a fim de evitar uma onda de falências. Também planejou treze operações de refinanciamento até meados de junho, novamente para apoiar os bancos e, por extensão, os negócios.

E, finalmente, o BCE divulgou na semana passada um plano de emergência de 750 bilhões de euros de recompras de dívida pública e privada, a ser realizado até o final do ano, na esperança de aliviar os bancos.

Por seu turno, Bruxelas anunciou na sexta-feira, pela voz da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a suspensão das regras da disciplina orçamentária da UE. Uma medida sem precedentes que permitirá que os Estados membros gastem o quanto for necessário para combater as consequências econômicas do coronavírus.

Concretamente, a cláusula geral de derrogação permite derrogar temporariamente o Pacto de Estabilidade e Crescimento, o texto que fixa as regras orçamentárias para os Estados que adotaram a moeda única.

Criada em 2011, em meio à crise da zona do euro, essa cláusula nunca havia sido ativada.

Reino Unido

O governo britânico prometeu apoiar a economia “custe o que custar”, anunciando garantias estatais sobre empréstimos comerciais que atingem 330 bilhões de libras esterlinas e ajuda atingindo 20 bilhões de libras.

Na sexta-feira, Londres estabeleceu subsídios para cobrir até 80% dos salários dos funcionários em licença temporária após o fechamento de cafés, pubs e restaurantes.

O Banco da Inglaterra reduziu sua taxa básica para 0,1%, uma baixa histórica.

China

O Banco Central chinês, que lançou extensões ou renovações de empréstimos comerciais no final de fevereiro, anunciou em 13 de março uma redução no índice de reserva dos bancos, liberando 550 bilhões de yuans (70,6 bilhões de euros) para apoiar a economia.

Esse índice, que obriga os bancos a manter liquidez no banco central, foi reduzido de meio ponto a um ponto percentual. O último declínio data de 6 de janeiro.

Itália

A Itália, o país mais afetado pela epidemia até agora na UE, anunciou 25 bilhões de euros para combater a epidemia. O governo espera que suas medidas gerem 340 bilhões de euros em liquidez.

Roma usará seus recursos para ajudar os endividados italianos, em particular através da suspensão do pagamento de certas hipotecas e vencimentos de empréstimos bancários.

França

Na França, o governo anunciou uma redução, adiamento ou cancelamento de cobranças no valor de 32 bilhões de euros somente em março. O que constitui a parte principal dos 45 bilhões de euros de mobilização “imediata”.

Paris também abriu o esquema de desemprego parcial e criou um fundo de solidariedade com cerca de 2 bilhões de euros. As pequenas empresas e os microempresários em dificuldade se beneficiarão da suspensão do pagamento de suas contas de água, gás, eletricidade e aluguéis.

O Estado garantirá até 300 bilhões de euros em empréstimos concedidos pelos bancos a empresas afetadas pela crise e não descartou apoiar diretamente certas empresas por meio de uma intervenção em seu capital.

Espanha

O estado espanhol anunciou na terça-feira que garantirá até 100 bilhões de euros em empréstimos às empresas.

Canadá

O primeiro-ministro Justin Trudeau anunciou um novo plano de US$ 27 bilhões canadenses (17 bilhões de euros) em assistência direta a trabalhadores em situações precárias e empresas canadenses em dificuldade, e 55 bilhões em isenções de impostos.

Essas medidas somam um primeiro envelope de 10 bilhões de dólares canadenses.

Japão

O Banco do Japão fortaleceu significativamente sua política de recompra de ativos. A instituição monetária não alterou sua taxa de depósitos bancários, rebitada para um nível negativo (-0,1%) desde janeiro de 2016, mas dobrou seu teto anual para resgates de fundos negociados em Bolsa de valores (ETF).

Anteriormente, o Japão havia liberado 13,4 bilhões de euros para conceder empréstimos sem juros a pequenas e médias empresas.

Austrália, Coreia, FMI…

O Banco Central da Austrália reduziu sua taxa básica de juros para 0,25%, a mais baixa histórica, anunciou medidas de recompra de dívidas e de apoio ao setor bancário e às pequenas e médias empresas.

O Banco Central da Coreia do Sul anunciou que reduzirá sua taxa de juros para 0,75%, uma baixa histórica de todos os tempos.

Hong Kong pagará dinheiro diretamente a seus residentes.

O FMI reservou 50 bilhões de euros para ajudar os países vulneráveis.

burs/jbo/pcm/mr/cc

Veja também

+Caixa paga hoje (13) auxílio emergencial para nascidos em maio

+Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?