Giro

A Microsoft admite que os hackers viram parte de seu código-fonte

Crédito: Reprodução/Divulgação

A conta não tinha permissão para modificar nenhum código de engenharia ou sistema e a investigação confirmou que nenhuma alteração foi feita (Crédito: Reprodução/Divulgação)

O ataque cibernético massivo que organizações públicas americanas e empresas sofreram por supostos hackers russos teve mais consequências para a Microsoft. Os atacantes conseguiram ver parte do código-fonte – as instruções que formam a base para o funcionamento dos programas e páginas da web – usado pela empresa, embora não pudessem modificar nenhum sistema ou ter acesso aos dados dos clientes, segundo um comunicado postado quinta-feira no blog da empresa.

Como no restante das organizações atacadas, os hackers usaram atualizações de software para entrar nos sistemas . “Detectamos atividade incomum em um pequeno número de contas internas e, após analisá-las, descobrimos que uma delas havia sido usada para visualizar o código-fonte em vários repositórios. A conta não tinha permissão para modificar nenhum código de engenharia ou sistema e nossa investigação confirmou que nenhuma alteração foi feita. Essas contas foram investigadas e reparadas”, disse o comunicado da empresa.

+ Ataque hacker na internet custa a partir de US$ 10
+ Europol desativa rede privada virtual ‘favorita’ dos hackers

“Nossa investigação interna não encontrou evidências de acesso a serviços de produção ou dados de clientes. A investigação, que está em andamento, também não encontrou evidências de que nossos sistemas tenham sido usados ​​para atacar outras pessoas ”, continua a empresa. Inicialmente, a Microsoft alegou que seus sistemas não sofreram nenhuma violação durante o ataque. A empresa não esclareceu quanto tempo durou a infiltração dos hackers , nem especificou qual código-fonte de qual produto específico eles podem espionar.



Sobre a responsabilidade pelo ataque, a declaração da Microsoft reforça a ideia de que ele foi patrocinado por alguma potência estrangeira. “Queremos ser transparentes e compartilhar o que estamos aprendendo enquanto lutamos contra o que acreditamos ser um ator estadual muito sofisticado”, diz ele. O governo russo, o principal suspeito de lançar a operação, negou categoricamente essas acusações, descritas pelo Kremlin como “continuação da russofobia cega”. O ataque foi descoberto três meses depois que o presidente russo, Vladimir Putin, propôs aos EUA uma trégua para evitar incidentes no ciberespaço.

O ainda presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contradizendo seus próprios serviços de inteligência, garantiu dias atrás no Twitter que poderia haver interesses ocultos em acusar a Rússia e sugeriu a possível responsabilidade da China.

https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1306749921173762049

O escopo do ataque cibernético ainda está sendo avaliado. Por mais de meio ano, os piratas se infiltraram em pelo menos seis departamentos do governo dos Estados Unidos, incluindo Defesa, Tesouro, Estado e Energia, além de muitos outros órgãos oficiais e grandes empresas. O ataque foi detectado quando Fi

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago