Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

A metamorfose de uma caneta

A metamorfose de uma caneta

A alemã Montblanc está revisitando um ícone criado há quase 100 anos. A companhia vai lançar uma edição limitada de uma caneta que pode ser utilizada como bracelete, pin de gravata ou broche. A joia, em formato de aranha, é inspirada no clássico poema da mitologia greco-romano de Arachne, contada por Ovídio em suas Metamorfoses. A coleção “Montblanc High Artistry Heritage Metamorphosis”, que comemora a criatividade, a poesia e o ofício de transformar uma matéria-prima em obra de arte, será lançada em três versões únicas: ouro branco, ouro rosé e ouro champagne, todas cravejadas com diamantes. Para adquiri-las, é preciso desembolsar € 1,5 milhão. Haverá, também, edições limitadas, com menos adornos, de cinco, dez e 88 peças, com preços que variam entre € 34 mil e € 520 mil. O lançamento está previsto para abril.

(Nota publicada na Edição 1060 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Aventura nas alturas

A VistaJet Group Holding, empresa de aviação privada sediada em Malta, criou o Adventures in the Sky em parceria com a Sharky & [...]

O high-tec da Montblanc

A suíça Montblanc lançou um acessório que pode ser acoplado em qualquer relógio da marca para torná-lo inteligente. O Twin Smart Start [...]

Cavalinho precioso

Uma Ferrari 250 GTO de 1963 foi vendida por € 59 milhões de euros, cerca de R$ 270 milhões. O modelo é uma raridade: apenas 39 unidades [...]

Raridades do Brasil

O Museu de Arte de São Paulo (MASP) recebeu cerca de 66 obras inéditas e raras de artistas brasileiros, produzidas nos séculos 19 e 20, [...]

Um brinde no espaço

A VistaJet Group Holding, empresa de aviação privada sediada em Malta, criou o Adventures in the Sky em parceria com a Sharky & [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.