Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

A metamorfose de uma caneta

A metamorfose de uma caneta

A alemã Montblanc está revisitando um ícone criado há quase 100 anos. A companhia vai lançar uma edição limitada de uma caneta que pode ser utilizada como bracelete, pin de gravata ou broche. A joia, em formato de aranha, é inspirada no clássico poema da mitologia greco-romano de Arachne, contada por Ovídio em suas Metamorfoses. A coleção “Montblanc High Artistry Heritage Metamorphosis”, que comemora a criatividade, a poesia e o ofício de transformar uma matéria-prima em obra de arte, será lançada em três versões únicas: ouro branco, ouro rosé e ouro champagne, todas cravejadas com diamantes. Para adquiri-las, é preciso desembolsar € 1,5 milhão. Haverá, também, edições limitadas, com menos adornos, de cinco, dez e 88 peças, com preços que variam entre € 34 mil e € 520 mil. O lançamento está previsto para abril.

(Nota publicada na Edição 1060 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A mansão dos Kennedy

Jean Kennedy, única irmã viva de John Kennedy (1917-1963), ex-presidente dos Estados Unidos morto a tiros em Dallas, está vendendo a [...]

A arte de dormir

A marca britânica de design Savoir Beds quer que as obras de artistas como Rembrandt, Claude Monet, Leonardo da Vinci e Vincent Van [...]

Joia digital

A TAG Heuer, fabricante de relógios conhecida pelos seus modelos esportivos, acaba de lançar um relógio digital que mais parece uma [...]

A moto dos mares

A Trident Boats, empresa grega de locação de barcos, desenvolveu um jet ski com um design um tanto inusitado, inspirado em carros [...]

Nas montanhas

A Ultima Collection, famosa por seus hotéis de luxo, vai inaugurar em dezembro seu novo empreendimento na cidade de Crans-Montana, no [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.