Edição nº 1147 18.11 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

José Carlos Rodrigues Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção

A Lava Jato não pode ser vista como um problema para as empresas

Mauro Campos

A Lava Jato não pode ser vista como um problema para as empresas

Para as empresas do setor de construção civil, a retomada das obras paradas é a forma mais rápida de recuperar empregos e dar fôlego para a economia

Renata Victal
Edição 05/07/2019 - nº 1128

As recentes projeções do PIB, que jogaram a previsão de crescimento para menos de 1% este ano, acentuam o desânimo do mercado da construção civil no País. Conhecido por ser um dos principais motores da economia, o setor sofre com a falta de confiança e de financiamento. Mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada já no início do segundo semestre, qualquer melhora só é esperada para o fim do ano. E será muito pequena, insuficiente para recuperar os empregos perdidos na crise. Para tentar salvar alguma fatia do setor, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Rodrigues Martins, tem se empenhado pessoalmente a convencer políticos em Brasília de que é hora de retomar as obras públicas paralisadas. É uma tentativa de criar, rapidamente, 500 mil empregos.

DINHEIRO – Como o senhor vê a atual conjuntura?

JOSÉ CARLOS RODRIGUES MARTINS – Cerca de 50% dos investimentos do Brasil são na construção. É uma atividade que demanda recursos e requer confiança no futuro. Ninguém assume um financiamento no longo prazo sem saber se vai ter emprego no mês que vem. Ninguém assume uma dívida se tem uma dúvida. A decisão de comprar uma casa é racional. O grande problema que vivemos hoje é o mesmo de um diabético em uma loja de doce. A gente vê a necessidade de as pessoas comprarem imóveis, mas elas estão reticentes de assumir o risco. Uma das pessoas que participou de uma rodada de conversas no exterior com investidores ficou impressionada com o apetite que eles têm no Brasil, mas todos dizem que só vão colocar dinheiro aqui após a reforma da Previdência. Aí, entram outros pontos de interrogação. Que reforma será aprovada? Como será o dia seguinte à aprovação? Estamos preparados para fazer as coisas funcionarem?

DINHEIRO – Quais os principais gargalos do setor?

MARTINS – Se uma indústria produz mil carros por dia e reduz em 20% sua capacidade de produção, pode demitir apenas 20% da sua mão de obra. Mas não acontece assim com a construção. Se não temos um projeto futuro, coloca-se todo mundo na rua. Nossos maiores gargalos passam pela recuperação da confiança — que tem relação direta com a recuperação da economia, do ajuste fiscal, da reforma da Previdência — e com a segurança jurídica.

“Os governos precisam de R$ 40 bilhões para terminar as obras paralisadas” (Crédito:Alexandre Carvalho)

DINHEIRO – Quais as perspectivas para o setor? Ainda é possível contar com alguma recuperação este ano?

MARTINS – Se houver recuperação, será só no fim do ano e não vai ser muito significativa. Quando uma construtora lança um empreendimento, precisa saber como o Brasil vai estar em três anos. A recuperação é rápida depois que se conhece o cenário, mas ainda estamos olhando para o horizonte na tentativa de ver o que vai acontecer. Existem grandes oportunidades, como a retomada das obras paralisadas.

DINHEIRO – Por que retomar as obras paralisadas é tão importante?

MARTINS – Estamos falando de 4.700 obras. Fizemos um estudo e descobrimos que já foram empenhados R$ 70 bilhões no conjunto delas. Os governos precisam de R$ 40 bilhões para terminar o serviço. São obras que estão se deteriorando e que, se fossem retomadas, aqueceriam a economia. São 1.700 unidades básicas de saúde que estão precisando, em média, de R$ 108 mil cada uma para serem concluídas. E elas estão paradas porque os prefeitos não têm dinheiro para pagar os médicos. Eles sabem que não vão conseguir pagar e deixaram as obras incompletas. Existem 2.000 terminadas e fechadas. Isso é um crime. Nossa proposta para resolver o problema é abrir uma chamada pública para quem quiser terminar os imóveis e dar a eles o direito de uso por cinco anos, da forma que quiser. São esqueletos abandonados que estão virando focos de dengue e de violência. É dinheiro jogado fora. Em Cuiabá, os trens do VLT estão apodrecendo. Isso é um crime.

DINHEIRO – Qual foi o real impacto da Lava Jato para a indústria da construção?

MARTINS – A Lava Jato tem que ser vista por duas óticas: a da crise política e a crise de investimentos na Petrobras. A Lava Jato não pode ser vista como um problema para as empresas. Está faltando dinheiro para investimento porque não existe uma demanda. Em 2014, o PAC [Programa de cãoleração do Crescimento] pagou
R$ 64 bilhões para as construtoras. Este ano não vai pagar nem R$ 10 bilhões. A equipe econômica do Temer se preocupava com fluxo de caixa e não com a economia. Toda vez que um país sai de uma recessão, sai via investimentos e não via consumo. No Brasil não houve uma preocupação com teto de gasto, com nada. Eles não tinham dinheiro público, mas não estavam nem aí. Ninguém se preocupou com segurança jurídica, com a questão ambiental ou trabalhista. O governo Bolsonaro está encarando de frente essas questões.

DINHEIRO – Como o senhor avalia a relação com o governo atual?

MARTINS – Não podemos reclamar. Ao longo dos últimos anos, a CBIC conseguiu dialogar de modo transparente e ético. Passamos pelo FHC, Lula, Dilma, Temer e, agora, o Bolsonaro. Essa equipe econômica atual é ótima, são pessoas extremamente bem intencionadas, jovens, querendo se realizar como pessoas.

“Antes da crise, uma empresa conseguia financiamento fácil para construir 200 casas. Hoje, só consegue para construir 50” (Crédito:Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress)

DINHEIRO – Quais as principais reivindicações vocês levaram ao governo?

MARTINS – Temos um documento que se chama “Um milhão de empregos já”, com uma série de propostas que poderiam gerar postos de trabalho imediatamente. O documento é dividido em três partes. Uma que apresenta ideias, outra sobre desburocratização e a terceira com uma agenda parlamentar. Apenas com a retomada das obras paralisadas seriam gerados 500 mil empregos imediatamente — apenas empregos diretos, os indiretos nem estão nesta conta. Insistimos também no apoio às construções municipais. As pessoas ainda precisam de transporte público, de praças, de hospitais. Propusemos que, se não há dinheiro público, que a iniciativa privada possa atuar. A Caixa poderia dar consultoria aos municípios para que fossem feito bons editais, ajudar a estruturar o projeto e a colocá-los na praça. Algumas prefeituras não têm capacidade técnica para estruturar um bom projeto. O terceiro ponto importante é o programa de crédito.

DINHEIRO – Como está o crédito para o setor?

MARTINS – Com a crise, a relação entre as empresas e os bancos se deteriorou. Há um trauma entre as partes e, se não encararmos de frente esse problema, as empresas vão ficar mais debilitadas e os agentes financeiros mais exigentes. Antes da crise, uma empresa conseguia financiamento fácil para construir 200 casas. Hoje, essa mesma empresa só consegue recursos para construir 50. Todas as partes estão com medo e o medo paralisa. O medo gera uma espera, que gera uma queda de atividade.

DINHEIRO – Quais os maiores entraves no Minha Casa Minha Vida?

MARTINS – Hoje, dois terços do mercado imobiliário compreendem o Minha Casa Minha Vida e há uma insegurança total. Se a arrecadação do governo cai, falta dinheiro para pagar o contrato. Como pagamos impostos e os funcionários? É uma angústia. Esperamos que a reforma da Previdência ajude a destravar a economia. A gente acredita que a Câmara vai aprová-la no segundo semestre. Mas qual reforma? Só vai acontecer mesmo no fim do ano, mas as pessoas têm conta para pagar. Como se faz com o boleto chegando no fim do mês?

DINHEIRO – Vocês também pedem segurança jurídica. Como avançar nesse tema?

MARTINS – Segurança jurídica é risco. E risco custa. Uma das coisas que a gente mais trabalha hoje é para diminuir o risco. Existem muitos agentes financeiros que sequer dão crédito para o construtor.

DINHEIRO – O BNDES está deixando a desejar?

MARTINS – O BNDES sempre foi muito arredio às construtoras e começamos a fazer um trabalho para tentar uma maior proximidade com o BNDES, para que ele se torne, de fato, um banco de fomento. Trilhamos um caminho com o [ex-presidente] Joaquim Levy. Agora temos um novo presidente e acreditamos que ele vai dar continuidade ao processo com muita ética. Queremos um mercado justo e competitivo e precisamos de um BNDES também mais justo.

DINHEIRO – Quais cicatrizes a crise vai deixar?

MARTINS – A crise foi muito forte e vai deixar cicatrizes profundas. Muita coisa ficou pelo meio do caminho. Há atraso de pagamento em muitos projetos. Mas as cicatrizes fazem parte da vida e a gente vai aprender com elas. Só esperamos que a crise deixe um aprendizado e não cause um extermínio de empresas.


Natura divulga nova estrutura acionária após finalizada a compra da Avon

Mudança

Natura divulga nova estrutura acionária após finalizada a compra da Avon

Carlos Slim Domit anuncia plano de investimento de R$ 30 bi no Brasil

América Móvil

Carlos Slim Domit anuncia plano de investimento de R$ 30 bi no Brasil


Big Techs


Uber permite gravar áudio de corridas no Brasil e México por segurança

Aplicativo de transporte

Uber permite gravar áudio de corridas no Brasil e México por segurança


Internacional


Washington pede a Pyongyang que retome as negociações em um nível mais alto

Aproximação

Washington pede a Pyongyang que retome as negociações em um nível mais alto

Greta Thunberg recebe Prêmio Internacional da Paz das Crianças

Jovem ativista

Jovem ativista

Greta Thunberg recebe Prêmio Internacional da Paz das Crianças

EUA autoriza “várias” empresas a vender componentes à chinesa Huawei

Negócios

Negócios

EUA autoriza “várias” empresas a vender componentes à chinesa Huawei


Blog

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Por Luís Artur Nogueira

Por Luís Artur Nogueira

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma retomada do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste segundo semestre


Editorial

Pacote aumenta desemprego

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

Pacote aumenta desemprego

Ao menos no que tange à ideia de incentivo à geração de empregos, o novo pacote anunciado na semana passada com pompa por Bolsonaro e o czar Paulo Guedes foi algo assim como um tiro pela culatra. Ao se fixar em novas facilidades para as empresas, a equipe econômica abriu margem para um efeito às avessas


Economia


Nem sempre é a economia que derruba presidente

América do Sul

Nem sempre é a economia que derruba presidente

Na América do Sul, tradicionalmente, destituições de líderes estão atreladas a problemas econômicos, fator que não foi decisivo para a situação que a Bolívia vive hoje


Tecnologia

Fake news: o cerco às mídias sociais aperta fundo

Internet

Internet

Fake news: o cerco às mídias sociais aperta fundo

Estudo americano mostra explosão de informação enganosa ao mesmo tempo em que as tech sociais testam sistemas de controle, pressionadas pelo risco de perder audiência e anunciantes


Negócios


Quist Investimentos: caçador de empresas (quase) falidas

Oportunidade

Quist Investimentos: caçador de empresas (quase) falidas

Em tempos de sufoco para as empresas, Quist Investimentos capta fundo de R$ 100 milhões para recuperar COMPANHIAS endividadas

“A reforma da Previdência trouxe boas perspectivas para o futuro”, diz presidnte da Coface

10 perguntas

“A reforma da Previdência trouxe boas perspectivas para o futuro”, diz presidnte da Coface

10 perguntas para Marcele Gomes, presidente da Coface Brasil

A casa de R$ 40 milhões

Em alta

Em alta

A casa de R$ 40 milhões

Shoteby’s negocia no Brasil mansão de 2.565m² de área construída. Mercado do luxo cresce acima da média do segmento e tem variação de 142% em um ano


Finanças

Revolução financeira acelera

Renda variável

Revolução financeira acelera

Migração de recursos para ativos de maior risco como ações, multimercados e fundos estruturados gera novos desafios para bancos e plataformas de investimentos como a intensificação da consultoria aos clientes

Onda jovem na B3

Bolsa de valores

Onda jovem na B3

A maior parte dos investidores que aportam recursos em títulos públicos federais do Tesouro Direto ou em ações pela internet é considerada jovem e antenada com as novas funcionalidades das plataformas de investimentos


Semana

Bolsonaro pede quase R$ 15 bilhões de crédito adicional ao Congresso

Contas públicas

Contas públicas

Bolsonaro pede quase R$ 15 bilhões de crédito adicional ao Congresso

Em tempos de reforma Previdenciária e corte de gastos por todos os lados, o presidente Jair Bolsonaro parece não estar muito preocupado em controlar as próprias despesas. Na segunda-feira 11, o governo apresentou Projetos de Lei (PL) com pedidos de autorização ao Congresso para a abertura de créditos adicionais.


Colunas


Apple e Goldman Sachs investigados por suposta discriminação à mulher

Dinheiro em bits

Apple e Goldman Sachs investigados por suposta discriminação à mulher


Artigo

Democracia Alpha Zero

Por Edson Rossi

Por Edson Rossi

Democracia Alpha Zero

A narrativa liberal precisa corrigir desvios e mirar problemas relacionados às múltiplas desigualdades para que não seja atacada e destruída. E disso depende todo o ecossistema econômico