Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

“A Kroton será uma nova empresa daqui a cinco anos”

“A Kroton será uma nova empresa daqui a cinco anos”

O grupo educacional Kroton, com faturamento de R$ 5,6 bilhões e mais de 1 milhão de alunos atendidos nos ensinos básico e superior, surpreendeu recentemente o mercado ao comprar a Somos, grupo de educação básica, por R$ 6,2 bilhões. Na semana passada, a companhia anunciou que vai apoiar um andar inteiro no novo prédio do Cubo, o centro de aceleração de startups do Itaú, dedicado às chamadas edtechs. Rodrigo Galindo, o CEO da Kroton, falou sobre isso, a integração com a Somos, os planos da empresa e muito mais no programa MOEDA FORTE na TV Dinheiro, que vai ao ar na segunda-feira, 25 de junho. Acompanhe abaixo alguns trechos:

A Kroton acaba de anunciar a criação de um andar inteiro dedicado às startups de educação no Cubo, o centro de inovação e aceleração do Itaú. O que está por trás dessa estratégia?
É preciso dar dois passos para trás para contar essa estratégia e dizer como a Kroton passou a se dedicar a essa jornada de transformação digital. Em 2017, refizemos o nosso planejamento estratégico e chegamos à conclusão na companhia de que precisaríamos desenvolver a tal da transformação digital. Mapeamos 25 empresas que estavam passando por esse momento de transformação no Brasil e no mundo. Percebemos que precisávamos passar por isso.

E como tem sido esse processo?
A gente vê a transformação digital de duas formas diferentes. A primeira é a empresa se digitalizar para entregar experiências para os seus clientes. A segunda é o que a gente chama de ser digital. Isso tem a ver com a cultura organizacional e é a mudança mais difícil de se fazer. Começamos a implementar a metodologia que se beneficia de times ágeis. Usamos o SAFE, que é o Scale Agile Framework. Temos 80% do nosso time de desenvolvimento rodando em times ágeis, com gente de todas as áreas. E isso está sendo irradiado para outras áreas da companhia.

A entrada no Cubo tem a ver com isso?
Sim. Como a gente se oxigena sabendo o que está acontecendo fora da nossa organização e se aproximando do ecossistema de edtechs? O Cubo, que é o maior hub de startups da América Latina, terá um andar inteiro dedicado à educação. Lá, fisicamente, estarão 12 startups selecionadas por nós. Mas, para chegar nas 12, teremos contato com centenas. Estaremos próximos do que está acontecendo.

O que a Kroton quer das startups?
Queremos startups que entendam os problemas da educação brasileira, sejam eles da Kroton ou da educação pública. É um passo a mais que a gente dá nesse processo de transformação digital. A garantia que a gente tem é que a Kroton será uma nova empresa daqui a cinco anos. Uma empresa muito mais apta ou para gerar a disrupção no negócio da educação ou para estar preparada para reagir caso a disrupção venha de fora.

(Nota publicada na Edição 1075 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Pedro Arbex e Vera Ondei)


Mais posts

Portas abertas para o setor imobiliário

O executivo Leonardo Paz, CEO do Imovelweb, uma das maiores empresas de classificados de imóveis do País, tem acompanhado, quase em [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1095 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone)

Contabilidade a um clique

Se depender da Nucont, a papelada e as planilhas sobre a mesa dos contadores estão com os dias contados. A startup, que atua no [...]

Frase da semana

“Reformas e a independência do Banco Central fariam o Brasil crescer 3,5% no ano que vem” Paulo Guedes, futuro ministro da Economia [...]

Porto Digital na saúde

A Neurotech e a PickCells, duas empresas do Porto Digital, polo tecnológico de Pernambuco, se uniram para fortalecer seus negócios na área de medicina diagnóstica com uso de inteligência artificial (IA). Juntas, elas comercialização um sistema em que as imagens de raio X, ressonâncias magnéticas e tomografias serão analisadas eletronicamente, em vez de precisar que […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.