A interminável milonga Argentina

A interminável milonga Argentina

É um drama marcado por desequilíbrios, notas fora do tom e recorrentes apelos de saudosistas. A cada troca de guarda a Argentina parece querer dar um passo à frente e dois atrás. Quando o atual presidente e candidato à reeleição Maurício Macri chegou ao poder, prometeu a revolução liberal, a explosão do emprego e o ajuste das contas. Teve uma chance genuína. Boa intenção e pouca habilidade para tanto. Não conseguiu fazer vingar seu projeto — diga-se de passagem — na verdade por culpa efetiva de um legado tenebroso de sua antecessora. Mas eis que o fantasma volta a amedrontar.

Quase como uma fênix revigorada, a chapa kirchnerista encabeçada pelo preposto Alberto Fernández ganha corpo na reta final de campanha. E tem tudo a ver com o velho mantra que associa boa economia a político em alta. Macri não entregou e colhe o preço. Lamentavelmente, desde os aos 1950 a Argentina vem em solavancos, experimentando em média um ano de recessão para cada três de ajuste. Nos últimos tempos, a equação se inverteu. Na Bacia do Prata, os hermanos chafurdam numa inclemente crise. Bateu de novo às portas do FMI depois de um calote histórico anos atrás. Foi perdoada.

Recebeu novo aporte, da ordem de US$ 57 bilhões, tendo por fiança a credibilidade internacional do atual mandatário. A virada de jogo nas primárias da semana passada, com uma vantagem competitiva da chapa opositora de esquerda, quase colocou tudo a perder. Os mercados derreteram com o temor de uma falência do país. O peso chegou a desvalorizar em 30% em apenas um dia. Os juros pularam para 74% anuais e leilões de moedas de centenas de milhões de dólares colocaram as resevas do BC local na lona.

A epidemia alastrou-se pelos tidos países emergentes, Brasil incluso. É um movimento natural. Investidores enxergam incertezas ma região e saem em busca do porto seguro de economias estáveis. Há uma crise da dívida argentina despontando logo no raiar do ano que vem. Financiamentos a descoberto podem tornar impossível a rolagem dos empréstimos. O medo maior é que o populismo peronista incorporado pela chapa Fernández-Kirchner assuma o poder e promova retrocessos administrativos insuportáveis. É bem verdade que nem tudo está perdido ainda.

Ao contrário do que os mercados enxergaram, as primárias não são exatamente um primeiro turno das eleições. Seu efeito prático se dá sobre a escolha dos candidatos à presidência em cada partido. A diferença percentual não se refere a uma disputa mano a mano entre as duas opções. É natural que ao vislumbrar o que pode vir a ser uma hecatombe econômica — a amostra por esses dias foi bem clara — os eleitores tomem consciência da ameaça que correm indo numa direção errada. Como na milonga, os passos precisam ser muito bem estudados.

(Nota publicada na Edição 1134 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.