Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

João Carlos Marchesan, presidente da Abimaq

A indústria só não afundou porque as exportações estão indo muito bem

A indústria só não afundou porque as exportações estão indo muito bem

Marchesan dedicou grande parte de seu tempo, nos últimos meses, a elaborar uma espécie de cartilha de propostas do setor industrial para os candidatos à Presidência

Hugo Cilo
Edição 05/10/2018 - nº 1090

O industrial paulista João Carlos Marchesan, dono da fabricante de implementos agrícolas que leva seu sobrenome, quase não tem sido visto na sede de sua empresa em Matão, no interior paulista Como presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), entidade que representa 7 mil empresas, que tiveram receita de R$ 66 bilhões em 2017, Marchesan dedicou grande parte de seu tempo, nos últimos meses, a elaborar uma espécie de cartilha de propostas do setor industrial para os candidatos à Presidência. Os principais nomes da corrida eleitoral chegaram a ser sabatinados na sede da Abimaq, na zona Sul de São Paulo, ouviram algumas reivindicações e muitas reclamações. “É importante todos saberem que a indústria no Brasil representava 30% do PIB na década de 1980 e hoje está em 10%”, disse o empresário. Segundo ele, o próximo governo, seja qual for, terá de criar uma política industrial robusta para conseguir gerar empregos e promover o crescimento econômico. Acompanhe, a seguir, sua entrevista:

DINHEIRO – A Abimaq, historicamente, sempre reivindica incentivos que nunca vêm. Agora, com a mudança de governo, há uma nova esperança?

JOÃO CARLOS MARQUESAN – O Brasil precisa criar, urgentemente, uma política de Estado. Nos últimos anos, a indústria só não afundou porque as exportações estão indo muito bem. O Brasil saiu da recessão, mas não está crescendo internamente. Hoje, apenas metade das indústrias exporta. A outra metade depende do mercado interno. Tanto é que, atualmente, 49% do faturamento das 7 mil indústrias associadas à Abimaq vêm das exportações, um número que comprova a importância de se fortalecer as vendas para fora.

DINHEIRO – O dólar está ajudando muito…

MARCHESAN – Realmente. Um câmbio competitivo para a indústria é algo entre R$ 3,70 e R$ 3,80, mas não é uma cotação industrializante. Para que a indústria tenha condições de recuperar parte das perdas dos últimos anos e estimular os investimentos dos empresários, o dólar precisa permanecer acima de R$ 4,00.

DINHEIRO – Então, a indústria está surfando no dólar mais caro?

MARCHESAN – O problema é a volatilidade. O dólar subiu muito em função da insegurança gerada pelo ambiente eleitoral, mas vai se estabilizar em um patamar mais baixo nas próximas semanas. O grande desejo da indústria é que se tenha um câmbio flutuante, mas que seja previsível. Só assim o Brasil terá um ambiente mais competitivo para exportar. Do jeito que está, tem hora que ganha muito dinheiro, mas tem hora que perde muito dinheiro. Um câmbio mais previsível garante uma constância nas exportações.

DINHEIRO – Isso foi dito aos candidatos?

MARCHESAN – Sim. Entregamos para todos os candidatos à Presidência cartilhas que, em resumo, pedem o combate a volatilidade, o que ajudaria a modernizar a indústria e a baixar o chamado ‘custo Brasil’. Esse é o caminho do desenvolvimento. Para o Brasil voltar a crescer, precisa aumentar as exportações. Um câmbio oscilante previsível é melhor do que um câmbio estável muito barato.

DINHEIRO – Mas os empresários pedem menos interferência do governo e, ao mesmo tempo, querem políticas que desvalorizem o real?

MARCHESAN – Todos os países protegem as suas moedas. Se olharmos para a briga entre a China e os Estados Unidos, veremos que o pano de fundo é a política de desvalorização da moeda chinesa, além dos incentivos todos que o governo oferece para os exportadores. O único país do mundo que exporta impostos agregados ao custo do produto é o Brasil. País nenhum exporta impostos. Ao contrário, a China oferece um tipo de Reintegra, regime especial de redução de impostos para exportadores, de 15%.

DINHEIRO – Qual deverá ser, então, a prioridade do próximo governo?

MARCHESAN – O próximo governo terá de se voltar à recuperação da competitividade brasileira, destruída nos últimos trinta anos. Nesse período, o País deixou de crescer e de se industrializar. O processo de desindustrialização foi resultado de alquimias de políticas econômicas implementadas tanto por governos de esquerda quanto de direita. Uma série de planos e mais planos, cada novo economista com suas próprias ideias, levou o Brasil ao atoleiro. Nós, brasileiros, fomos vítimas dessas experiências fracassadas e acabamos pagando a conta. Além do câmbio, precisamos aprofundar as discussões em torno do ‘custo Brasil’.

“O próximo governo terá de se voltar à recuperação da competitividade, destruída nos últimos trinta anos”Linha de produção da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP)

DINHEIRO – Os candidatos se sensibilizaram com as demandas da indústria?

MARCHESAN – Sim. Conversamos com todos eles para mostrar o que a indústria precisa para crescer e se tornar mais competitiva. É importante todos saberem que em 1947 a indústria era incipiente no Brasil e representava 2% do PIB. Chegou a 30% do PIB na década de 1980. Hoje está em 10%. Isso tudo reflete a falta de competitividade. A China exportou no ano passado US$ 2,835 trilhões, mais do que PIB brasileiro. O Brasil, com todo o agronegócio junto, exporta US$ 224 bilhões. É uma diferença muito grande. Mesmo a Itália, um país que caberia dentro do Estado de São Paulo, exporta US$ 554 bilhões por ano, o dobro do nosso resultado. Em 1980, a economia brasileira era maior do que a da China e a da Coreia do Sul, juntas. Hoje, olhe para quem é a China, quem é a Coreia do Sul e quem somos nós. Então, estamos longe de onde devemos chegar. Sem uma política industrial robusta, estamos sempre andando em círculos, como um cachorro correndo atrás do rabo. Temos de sair desse vício de sempre falar do mesmo assunto, mas ficarmos sempre enroscados no mesmo paradigma.

DINHEIRO – Mas a falta de competitividade é crônica no Brasil…

MARCHESAN – Passamos recentemente pela pior e mais duradoura crise da nossa história. De 2011 para cá, o estrago que foi feito na economia do Brasil é incalculável. O tecido social foi desgastado. Hoje se fala em mais de 30 milhões de desempregados e subempregados. Um quarto da população economicamente ativa está sem condições de consumir nada além do essencial para a subsistência. Por isso, é um problema que precisa ser consertado.

DINHEIRO – Algum candidato apresentou um plano concreto para estimular a indústria?

MARCHESAN – Todos os candidatos e seus economistas concordam que é preciso definir uma política de Estado que crie um ambiente de incentivo aos investimentos, quer seja em infraestrutura, quer seja no incentivo ao consumo das famílias. Não vou citar nomes agora, porque em um período eleitoral pode gerar interpretações equivocadas. O que posso dizer é que, de nenhum candidato, vi um plano definido ou um esboço de como será feita a reindustrialização do Brasil. Por isso, estamos em contato direto e permanente com os economistas formuladores dos planos econômicos dos principais candidatos.

DINHEIRO – Mas o que a Abimaq defende: um governo menos intervencionista, mais liberal e de livre mercado, ou um Estado que tenha políticas de controle de câmbio e de proteção da indústria?

MARCHESAN – Temos de ter um Estado necessário no Brasil. Nem mínimo, nem máximo. O ideal é estar no meio. Somos favoráveis que o País se insira nas cadeias globais de produção. Temos falado muito sobre a importância de se promover uma abertura comercial, de fazer o Brasil crescer e gerar empregos pelo caminho da reindustrialização. Vimos que alguns têm ideias mais equivocadas, outros têm ideias mais fortes. Fizemos um estudo que mostra que o Brasil precisará investir, nos próximos 20 anos, R$ 8,8 trilhões em infraestrutura. Em saneamento serão necessários mais R$ 500 bilhões. Por outro lado, as obras que estão inacabadas se depreciam R$ 250 bilhões por ano.

DINHEIRO – A ideia é abrir ou fechar o mercado?

MARCHESAN – O próximo governo precisa fazer uma abertura comercial inteligente. Uma abertura de mercado mal elaboradora, executada de uma hora para outra, vai prejudicar ainda mais a situação. Não haverá ganho. A abertura deve ser feita em conjunto com a definição de uma política de competitividade. Como abrir a economia tendo uma estrutura tributária complexa e falha como a nossa? Como expor a economia sem rever a questão dos acordos comerciais? Temos de jogar aqui dentro o mesmo jogo lá de fora. Isso passa por uma reforma tributária.

DINHEIRO – A indústria brasileira está preparada para um eventual acordo de livre comércio com a União Europeia?

MARCHESAN – Somos a favor desse acordo, mas a abertura deve ser escalonada. A própria União Europeia, que tem defendido seu mercado agrícola, principalmente, está colocando obstáculos para que esse acordo seja feito. O livre comércio poderá afetar não só o Brasil, mas também os outros países do Mercosul.

“O único país do mundo que exporta impostos agregados ao custo do produto é o Brasil”Terminal de contêineres no Porto de Santos, a principal rota de exportação do Brasil

DINHEIRO – Mas o Mercosul, visto pelo mundo como um bloco de países fracassados, não deveria fazer algo para ter mais acesso aos mercados globais?

MARCHESAN – O que nós entendemos é que essa abertura precisa ser feita de forma gradual, dentro de um prazo de 15 anos. Assim, os países podem ir melhorando sua competitividade. Essa é uma preocupação maior das maiores economias do Mercosul. O Brasil tem uma indústria forte. A Argentina ainda tem indústria, mas o Paraguai e o Uruguai não têm indústria.

DINHEIRO – Quinze anos não é muito tempo em um País que pressiona por mudanças estruturais mais rápidas?

MARCHESAN – Seria em até 15 anos. Mas, realmente, a sociedade brasileira está exaurida na sua paciência. Depois de ver tanta coisa ruim acontecendo na política e na economia, perdeu a paciência por completo. Temos um País rico, farto, abundante e continental. Não podemos aceitar viver em uma situação dessas. Então, o próximo presidente que assumir o comando em janeiro, e que tiver atitude de fazer as reformas e diminuir o peso do Estado, vai fazer a economia brasileira crescer.

DINHEIRO – Essa paciência exaurida é o que explica o extremismo dos eleitores?

MARCHESAN – Não restam dúvidas. Essa é uma eleição única. Quase um plebiscito. Uns apostam que a solução virá de uma forma, outros acreditam que virá de outra. Mas todos buscam o mesmo objetivo. É consenso que o Brasil precisa tomar um novo rumo para sair do atoleiro que se enfiou com as políticas equivocadas dos últimos anos, tanto da esquerda quando da direita.

DINHEIRO – Passada a eleição, a economia voltará aos trilhos?

MARCHESAN – Acredito que sim. Um equilíbrio fiscal mais contundente é essencial para melhorar o ambiente de negócios e a segurança para os investimentos. Estamos com inflação controlada, Selic baixa e consenso sobre a importância das reformas. Por isso, temos tudo para decolar em 2019.

De 17 empresas para 9

Pacote de privatizações do governo federal foi desidratado

Pauta polêmica

Senado aprova MP da Liberdade Econômica sem previsão de trabalho aos domingos

estatal

Privatizações anunciadas por Guedes começarão com Correios, diz Bolsonaro

Votação em outubro

Câmara instala comissão para discutir marco legal do saneamento básico


Spotify estuda aumentar preço de seu serviço premium

13%

Spotify estuda aumentar preço de seu serviço premium

O serviço de streaming começará a testar o aumento de 13% no pacote básico do Spotify Premium na Escandinávia

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

em sete lojas

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

Segundo o Walmart, sete lojas tiveram problemas com placas solares da Tesla, que pegaram fogo de maneira espontânea

Quem quer viajar de graça? O governo paga!

Edital Embratur

Quem quer viajar de graça? O governo paga!

A Embratur lançou edital para um reality show de turismo onde um estrangeiro (brasileiro não vale) irá passar 30 dias viajando pelo País com tudo pago

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

empreendimento religioso

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

1.250 igrejas são abertas por ano no País, uma média de 3,4 igrejas por dia. Enquanto você lê, provavelmente alguém fundou um novo tempo na rua da sua casa

Bolsonaro vai torrar R$ 600 mil só para pintar avião presidencial

verba pública

Bolsonaro vai torrar R$ 600 mil só para pintar avião presidencial

Alibaba suspende abertura na bolsa de Hong Kong em meio à tensões políticas

ecommerce

Alibaba suspende abertura na bolsa de Hong Kong em meio à tensões políticas

Companhia já tem suas ações listadas na bolsa de Nova York e esperava estrear no mercado chinês em agosto, com expectativa de somar US$ 15 bilhões

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

polêmica

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Rastreamento e apreensão de veículos com base nos sistemas de localização reascendeu debate sobre direito a privacidade. Marca afirma que prática é feita em casos específicos


Dólar tem segunda queda seguida e fecha em R$ 4,03 com exterior e leilão do BC

Câmbio

Dólar tem segunda queda seguida e fecha em R$ 4,03 com exterior e leilão do BC


Apple TV+: streaming da Apple será lançado em novembro, diz site

entretenimento

Apple TV+: streaming da Apple será lançado em novembro, diz site

Segundo a Bloomberg, o serviço terá mensalidade de US$ 9,99 nos EUA e estará disponível em 150 países. Lançamento acirra disputa no streaming

Qualcomm fecha acordo para produção de celulares LG

Inovação

Qualcomm fecha acordo para produção de celulares LG

As duas empresas estavam envolvidas em disputas e conversas desde abril, quando a Qualcomm buscava renovar seu acordo de fornecimento de chips com a LG


Trump garante ser ‘o escolhido’ para a guerra comercial contra a China

The one

Trump garante ser ‘o escolhido’ para a guerra comercial contra a China

Emigrantes do ‘Open Arms’ desembarcam em Lampedusa

ong humanitária

ong humanitária

Emigrantes do ‘Open Arms’ desembarcam em Lampedusa

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

sustentabilidade

sustentabilidade

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

durante protestos

durante protestos

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

A interminável milonga Argentina

Editorial por Carlos José Marques

Editorial por Carlos José Marques

A interminável milonga Argentina

Lamentavelmente, desde os aos 1950 a Argentina vem em solavancos, experimentando em média um ano de recessão para cada três de ajuste. Nos últimos tempos, a equação se inverteu

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

"Queremos 60% dos pagamentos feitos em meios eletrônicos até 2024"

O executivo, que comanda a operação da americana no Brasil, tem apostado em tecnologia de autenticação por comportamento


Por que o ouro voltou à moda

capa

Por que o ouro voltou à moda

Combinação entre aumento da tensão política e desaceleração da economia aumenta os riscos de inflação, elevando o interesse pelo metal dourado

Sem legítima defesa

demora no cade

Sem legítima defesa

Demora do presidente Bolsonaro em indicar novos membros para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões


A reinvenção da mão de obra

indústria nacional

A reinvenção da mão de obra

Nem tudo são más notícias na indústria brasileira. Mapa do trabalho indica que o setor contratará mais profissionais preparados para a indústria 4.0

CPMF, não!

reforma tributária

CPMF, não!

A recriação de um imposto sobre movimentações financeiras aparece nos esboços da reforma tributária que deverá ser apresentada pelo governo ao congresso. Renegada por empresários e por grande parte da sociedade, essa taxação cria distorções — e pode impedir a retomada do crescimento

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

resumo dos fatos

resumo dos fatos

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

A batalha do Brasil na China

internacional

A batalha do Brasil na China

Em meio à guerra comercial do país asiático com os EUA, Empresários brasileiros garantem investimentos de US$ 24,8 bilhões em rodadas de negociações com bancos e companhias chinesas

A nova casa da Joli

reforma de portfólio

A nova casa da Joli

Rede de materiais de construção reforma o porfólio para incluir itens de decoração e investe R$ 9 milhões para inaugurar sua maior unidade. Três novas operações estão previstas para 2020

Lição Walmart: não basta ser grande

gigante varejista

Lição Walmart: não basta ser grande

O fracasso da operação brasileira e o fim da marca no País mostram que nome não ganha jogo no disputado varejo nacional


As armas do futuro já estão entre nós

segurança

As armas do futuro já estão entre nós

E elas movimentam fortunas, como prova a chinesa Hikvision, Líder em produtos inovadores para segurança. Com 34 mil colaboradores e fábricas na Índia e no Brasil, ela fatura US$ 7,5 bilhões ao ano

Vou pintar na sua firma

epson

Vou pintar na sua firma

Fabricante de impressoras quer repetir no mercado corporativo a “blitzkrieg” que promoveu no mercado doméstico

Adeus, preço médio

RLP

Adeus, preço médio

Novo produto da B3, o RLP promete revolucionar a forma como o investidor pessoa física opera no mercado

Árvores de dinheiro

investimento social

Árvores de dinheiro

Enquanto o desmatamento cresce, engajamento do mercado com investimentos socialmente responsáveis vem aumentando

Espaço aéreo VIP

Espaço aéreo VIP

Jatos de até US$ 71,5 milhões exibidos na Labace, maior evento da aviação de negócios da América Latina, mostram que nem o céu é o limite para os brasileiros


Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar

por Ulisses Zamboni

por Ulisses Zamboni

Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbynson apresenta:

Robbynson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?

Fazer o bem está no nosso sangue

Lojas Americanas apresenta:

Lojas Americanas apresenta:

Fazer o bem está no nosso sangue

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados