A incrível sina da indústria que encolheu

A incrível sina da indústria que encolheu

Onde foi parar a indústria brasileira? Reflexo de uma débâcle assombrosa, a atividade acaba de registrar um revés de proporções históricas: alcançou a menor participação no PIB em 70 anos. Desde a década de 40 não se via nada igual. É surpreendente, para dizer o mínimo, que um parque fabril tão diversificado e pulsante, que inclui siderúrgicas, montadoras, fabricantes têxteis, de calçados, moveleiro e por aí afora represente atualmente uma fatia de apenas 11,3% do cômputo geral da riqueza nacional. O parque produtivo ficou miúdo e não há no horizonte qualquer sinal de reversão dessa tendência. Ao contrário.

Diversas são as multinacionais com linhas de montagem aqui que estão cerrando as portas. E não é para menos. Já no primeiro bimestre deste ano 54% das companhias, ou mais da metade das unidades manufatureiras, experimentaram queda de produção. Por um motivo elementar: não há demanda. A capacidade instalada segue com folga e a prolongada estagnação pode levar, em breve, a mais desemprego e congelamento de investimentos na área, em um ciclo perverso. Se não há resultados, nem necessidade de expansão, a busca por sobrevivência leva ao encolhimento, com consequente perda de competitividade frente aos concorrentes externos, que seguem apostando em inovação e crescimento.

Há, decerto, alguns motivos adicionais que contribuem para o péssimo desempenho de recuo.
A radiografia feita pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) revela que o perfil das empresas locais está defasado em relação à tendência global de concentração em indústrias mais sofisticadas. Desde os anos 80, esse descompasso vem se verificando e se ampliando. O problema é mais grave no setor de transformação e bens intermediários. Por outro lado, o avanço acelerado de segmentos como o de serviços e varejo demonstra cabalmente uma virada de perfil do Produto Interno Bruto, com a prevalência de bons resultados em áreas mais suscetíveis a renovações. A avassaladora onda digital, de consultorias, fornecedoras de programas, geradoras de negócios via internet está tomando o topo da cadeia de lucros.

As indústrias ainda perdem com a burocracia tributária que tira, em média, todos os anos, cerca de R$ 37 bilhões de sua receita. Estudo da Fiesp mostra que as empresas da área gastam perto de 1,2% de tudo que faturam para manter complexas estruturas de atendimento às exigências do fisco e para acompanhar o infindável número de impostos em cascata. Nesse contexto, parece de fato um milagre a sobrevivência de uma atividade que despende na burocracia, segundo a pesquisa, 9,3 vezes mais que os seus concorrentes diretos mundo afora. Até que as autoridades percebam a urgência de uma virada completa da carga tributária e a necessidade de incentivos estruturais para o fortalecimento industrial não será possível mudar esse quadro.

(Nota publicada na Edição 1116 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

A ameaça ao teto

Ninguém esconde mais, nem dentro do Governo, nem no Congresso, muito menos entre entidades que pressionam por recursos, o movimento [...]

Reforma em fatias

Há algo de muito desarticulado nas prioridades definidas pelo Governo. Mais de um ano e meio de gestão depois se tomou conhecimento, [...]

O plano tributário

O governo começa a dar traços do que pretende no plano tributário. O ministro Paulo Guedes surpreendeu a todos voltando a falar de uma [...]

O grande desafio do agronegocio

Na verdade, trata-se de um desafio mortal de imagem, como bem classificou o economista José Roberto Mendonça de Barros. E a questão [...]

A perda do dinheiro verde

Nos últimos dias o País foi tomado pela notícia de que o mundo não irá mais tolerar os abusos de desmatamento e queimadas praticados [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.