A humanização que causa estrabismo

Há pouco mais de 20 anos fui convidado a organizar um Centro de Humanidades numa Escola de Medicina. Estávamos na virada do milênio, e se a aplicação de novas tecnologias científicas já estava consolidada como recurso para o progresso da saúde, começava-se, por outro lado, a considerar o quão prejudicial essa hegemonia técnico-científica poderia ser para dimensão humana da relação médico-paciente.

Nesse contexto, iniciou-se um debate sobre a problemática da desumanização versus humanização da saúde no Brasil. Iniciativas que mais tarde confluiriam na Política Nacional de Humanização começavam a ser testadas principalmente em hospitais públicos, impulsionadas por planos governamentais que buscavam melhorar indicadores sociais na saúde.

Qual não foi a surpresa de alguns gestores ao notarem, após meses de experiência piloto com programas de humanização, que o efeito atingido não só ficava aquém do esperado, como, em muitos casos, provocava reações adversas. Notava-se, por exemplo, até certa resistência por parte de alguns colaboradores em participar dos treinamentos, além de uma visível indisposição frente à palavra “humanização”. Desconcertados, os gestores recorreram às instâncias universitárias a fim de compreenderem o fenômeno.

Como começava eu a ser reconhecido por trabalhos de pesquisa qualitativa, sobretudo centrados na coleta e análise de narrativas por meio da metodologia de História Oral de Vida, fui convidado a participar desse esforço compreensivo demandado pelo Hospital Universitário da instituição onde até hoje trabalho. E, assim, utilizando-me de abordagens que privilegiavam a vivência dos trabalhadores, descobri coisas muito significativas. A mais gráfica delas emergiu da narrativa de um médico, que, em seu depoimento, denunciou que “a humanização causava estrabismo”.

Diante da minha perplexidade, o doutor me explicou que, pouco antes do início do programa de humanização, uma grande mudança havia ocorrido no Hospital: a informatização dos protocolos e a aplicação de guidelines eletrônicos, para facilitar o procedimento de consulta e diminuir sua duração, com correspondente aumento de eficácia no diagnóstico. “Assim”, contava-me o médico, “entre nós e os pacientes surgiu a tela do computador, que indica a próxima pergunta a ser feita e o caminho a ser percorrido na estruturação do histórico clínico do paciente. Alguns meses atrás, entretanto, começamos a receber o treinamento dos programas de humanização, nos quais se enfatizava a importância não apenas de chamar o paciente pelo nome, como também a de olhar em seus olhos durante o procedimento clínico. Dessa forma, obrigados a olhar para o computador e para os olhos do paciente ao mesmo tempo, desenvolvemos um certo tipo de estrabismo.”

De modo irônico, esse trabalhador da saúde dava a imagem a partir da qual pude elaborar minha interpretação a respeito da humanização nas organizações. Ela me possibilitou perceber que a ineficácia da abordagem procede de um equívoco antropológico.

Acostumados a identificar na formação profissional um processo de treinamento que visa o desenvolvimento de competências e habilidades técnicas, acreditou-se que a implementação de comportamentos humanizados poderiam ser incutidos de forma semelhante. Esquecidos de que somos diferentes das coisas que criamos, passamos a acreditar que funcionamos como nossos computadores, que podem ser programados para processar tarefas específicas. Aliás, não deixa de ser eloquente o fato de as propostas de humanização terem sido denominadas “programas”.

Montesquieu definia a humanização como a ampliação da esfera da presença do ser; processo que envolve, portanto, todas as dimensões do ser humano, e não apenas o cognitivo ou o comportamental. Nesse sentido, a humanização deve ser entendida como resultado de uma experiência que abarca as três dimensões que, segundo Aristóteles, caracterizam o humano: afeto, inteligência e vontade.

Humanização tem a ver com reconhecimento daquilo que é próprio do humano – reconhecimento este que advém da dimensão do sentimento e que qualifica a razão, mobilizando a vontade. Por isso, penso que uma abordagem meramente técnica, cognitiva e comportamental nunca produzirá um efeito genuinamente humanizador; nessa perspectiva, ela pode apenas gerar “estrabismo funcional”.

Num momento em que a humanização desponta com relevância no cenário corporativo, refletir sobre os fundamentos antropológicos dos projetos propostos torna-se essencial. Se não quisermos que a humanização se reduza à mera retórica – ou, pior, que gere reações adversas -, torna-se necessário ir além de uma visão tecnicista e instrumental.

A humanização exige um olhar humanístico, que abarca a totalidade do humano, levando em conta suas complexidades e contrariedades. Só esse olhar amplo e compreensivo pode nos preservar de uma “humanização estrábica”.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Doutor em História pela USP, Dante Gallian é professor da EPM-Unifesp, coordenador do Laboratório de Leitura e colaborador da Responsabilidade Humanística. Publicou o livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret)


Mais colunas e blogs


Mais posts

Cuidado com o foco na meta: a lição de Frankenstein

Num memorável verão de princípios do século 19, um grupo de veranistas ingleses encontrava-se entediado por causa dos invariáveis dias [...]

Por que ler os clássicos?

O título deste artigo reproduz, de propósito, aquele de um livro do grande escritor cubano-italiano Ítalo Calvino, publicado [...]

A humanização pela literatura

No artigo anterior, comentava sobre a problemática da humanização por aplicativo, sua insuficiência e o equívoco antropológico que subjaz muitas destas propostas programáticas. Indo além da crítica, torna-se necessário, entretanto, apontar quais caminhos alternativos podem levar a uma efetiva humanização no mundo corporativo, partindo da percepção de que ao lidar com pessoas trabalhamos com seres […]

Humanização por aplicativo

Já se tornou lugar-comum falar das grandes transformações que estão ocorrendo ou ainda irão ocorrer na dinâmica do trabalho em função [...]

A empresa como espaço humanizado

É interessante observar o processo de transformação dos espaços de trabalho nos últimos tempos. Um processo dinâmico, acelerado, que, [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.