A hora da diversidade é já

A hora da diversidade é já

O Brasil e o mundo têm passando por transformações profundas. Um momento difícil, uma crise sem precedentes. Tempos de reavaliação de modelos que deram certo e errado. Um dos problemas aflorados neste difícil período são as relações raciais e como elas se estruturaram no século XX, causando muitas desigualdades.

Nosso país é um caso emblemático: foi o último do mundo a abolir a escravatura, há 132 anos, e o fez de forma errada, criando profundas desigualdades. Os escravizados que para cá vieram construíram essa nação ao longo de quase quatro séculos e foram esquecidos, deixados à margem da sociedade sem nenhum amparo legal ou reparação. Nascia aí a cultura da excludência humana brasileira, na qual o lugar de negro no mercado de trabalho e na sociedade é a subalternidade. Lugar de não-presença nos cargos de decisões da nova economia que se formou, na indústria, no comércio, na educação, em todas as áreas. Nosso lugar é da sub-representação.

Só agora começamos a fazer algumas mudanças, ações que podem transformar um pouco essa desigualdade. Falo das políticas de ações afirmativas, como as cotas para negros e negras nas universidades, algo que só aconteceu no século 21, com mais de cem anos de atraso, uma vez que a abolição da escravatura ocorreu em 1888. Porém, mudanças de governo, transições esquisofrênicas de uma aberração política que o país vivencia, colocaram tudo para segundo plano novamente.

O setor privado, mais autêntico, mais moderno, plugado com o mundo e também pensando que o Brasil pode dar certo, que pode ser esse o país dos nossos sonhos, tem realizado várias ações. A maioria das empresas ainda é de multinacionais que estão conectadas ao mundo, um universo cada vez mais diverso que nos enche de esperança.



Atitudes como a da Magazine Luiza, que destinou seu programa de trainee em 2020 a negros e negras, não são novas. Outras empresas têm realizado isso, como a alemã Bayer, que tem um programa similar, bem como o Carrefour, a Coca Cola, o Itaú, o Santander entre outras. Mas o fato de ser uma empresa brasileira – e a Luiza Trajano ser uma apaixonada por esse país – realmente causou muita polêmica. Da mesma forma que qualquer mudança de paradigma sempre causará.

Os poucos críticos da ousada medida do Magazine Luiza esqueceram-se de uma coisa: o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou há alguns anos uma medida similar em ações afirmativas, as cotas para negros nas universidades, que teve aprovação de 10×0, abrindo brecha para que estados, municípios, sociedade civil incluindo o setor privado, tivessem posicionamento, atitude e medidas para que o segundo maior país negro mundo quem sabe um dia seja o primeiro em igualdade racial, dando assim um exemplo a humanidade.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

O blog Diversidade Corporativa, de Mauricio Pestana, ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, é um espaço destinado à reflexão e ao debate sobre o panorama da diversidade racial e de gênero no mundo empresarial. Traz temas relacionados a políticas afirmativas e inclusão social e apresenta soluções para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da população historicamente excluída da economia e ambiente corporativo no Brasil


Mais posts

O que vem após a tragédia?

A vida infelizmente nos impõe fatalidades das quais nem homens e muito menos empresas estão livres. Por mais que tenhamos leis, normas, [...]

E sua empresa, quanto já gastou na luta antirracista?

Maio entrará para a história como mês em que palavras como racismo, inclusão, exclusão, diversidade e justiça foram mencionadas mundo [...]

A semana do 13 de maio

O artigo desta semana poderia começar como venho fazendo há mais de três anos nesta coluna, dando os números estarrecedores sobre as [...]

Coronavírus e a questão racial

Procuro sempre achar algo de positivo, mesmo diante das piores situações. Acredito que as crises sempre deixam um legado, seja no [...]

O maior evento sobre diversidade e inclusão realizado no Brasil

Em um ano em que a economia encolheu e os investimentos em quaisquer áreas minguaram, o Fórum Brasil Diverso se consolida como o maior [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.