Edição nº 1078 13.07 Ver ediçõs anteriores

A história da Ford foi a leilão

Uma coleção de carros clássicos da Ford, que pertencia ao Museu Den Hartogh, na Holanda, foi leiloada por € 6, 1 milhões, cerca de R$ 27,2 milhões. Os 220 veículos da marca americana pertenciam ao empresário do ramo de transporte Piet den Hartog. Ele demorou 50 anos para formar o acervo, que incluía desde o modelo A, de 1903, até caminhões e vans de várias épocas, passando pelo modelo T, que marcou a produção em série dos automóveis. O maior lance foi por um Ford Model B Side Entrance Tonneau (primeira foto da galeria), vendido por € 419, 7 mil, cerca de R$ 1,8 milhão, sete vezes maior do que o preço inicialmente estimado. Com a morte de Piet em 2010, seu filho Pieter decidiu vender a coleção e fechar o museu.

(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Dormindo sob a aurora boreal

A aurora boreal é um dos fenômenos óticos mais incríveis da natureza. A partir de 2021, será possível dormir sob esse brilho nos céus [...]

O presente de um ícone italiano

A fabricante italiana de motociclistas Ducati lançou uma versão especial da Monster 1200, seu modelo mais icônico. A edição celebra os [...]

A casa do lago

  O ex-astro do time de beisebol New York Yankees, Derek Jeter, colocou sua casa na beira do Lago Greenwood à venda. Localizada em [...]

O som de uma Louis Vuitton

Conhecida por suas bolsas e malas de luxo, a grife francesa Louis Vuitton está investindo em objetos decorativos, com um toque de [...]

Tempo de arte

Obras de arte e joias produzidas entre a Idade Média e o início do século XIX foram colocadas à venda pela casa de leilões Sotheby’s. [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.