Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

A herdeira não dorme no ponto

A herdeira não dorme no ponto

A empresária mineira Marcela Constantino, neta do bilionário Nenê Constantino, fundador da Gol Linhas Aéreas, parece ter herdado a principal característica empresarial de sua família: o tino para os negócios. Em 2015, aos 33 anos, assumiu o comando de uma das mais tradicionais empresas de ônibus do País, a Reunidas Paulista, que pertence à sua mãe, Aurivânia Constantino. Sua missão é preparar as operações paras os novos tempos. Hoje, aos 35 anos, ela orquestra uma diversificação do modelo de negócios, com renovação de parte da frota de 116 ônibus e o lançamento de novos serviços, como transporte de pequenas mercadorias entre as 69 cidades em que atua em São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul.

Na prática, a empresária está criando uma concorrência direta com os Correios e, ao mesmo tempo, acirrando a disputa pelos passageiros que, nos últimos anos, migraram para as companhias áreas – inclusive a Gol – e para os aplicativos de carona. “Hoje temos de enfrentar os novos hábitos de locomoção dos brasileiros e a concorrência desleal de alguns aplicativos, sem perdemos a capacidade de nos adaptar às mudanças”, diz Marcela, em entrevista à MOEDA FORTE. Engana-se, segundo ela, quem pensa que sua rotina como executiva tem a ajuda do avô ou do tio, Constantino de Oliveira Júnior, presidente do conselho de administração da Gol. “No mercado, cada um toca seu negócio de forma independente, e chegamos a concorrer, muitas vezes”, afirma. Na semana passada, ela anunciou um investimento de R$ 15 milhões na compra de 20 ônibus Euro 5, os mais modernos do mundo em emissão de poluentes. Acompanhe, a seguir, sua entrevista:

O que mudou na Reunidas Paulista com a sua administração?
Estamos fazendo vários ajustes para dar mais agilidade e modernidade à empresa. Além da renovação da frota, que passará da média de 5 anos de idade para 3,5 anos, daqui a pouco tempo, vamos rever a quantidade de paradas em algumas rotas para reduzir também o tempo de viagem. Com ônibus mais novos, mais bonitos e cheirando a perfume de carro novo, poderemos manter os veículos em circulação por mais horas, melhorando a rentabilidade por veículo.

Qual será a estratégia para reconquistar o cliente que hoje prefere avião ou aplicativos de carona?
Vamos fazer campanhas para mostrar que viajar de ônibus tem muitas vantagens. Na disputa com o avião, não temos como concorrer em agilidade. Mas, por outro lado, temos a vantagem de não limitar a quantidade de malas transportadas, algo que hoje é cobrado pelas companhias áreas. Além disso, atendemos cidades que não possuem aeroportos. Já na concorrência com os aplicativos de caronas, como o Blablacar e outros, que considero uma disputa desleal e clandestina, queremos mostrar aos usuários que somos alternativas mais seguras. Temos investido muito no treinamento de motoristas, na manutenção da frota e na qualidade de excelência de nossos serviço de atendimento. Quem pega carona não sabe as condições do veículo e nem conhece a habilidade do condutor.

O serviço de transporte de mercadorias que a Reunidas vai lançar é uma forma de diversificar as fontes de receita?
Com certeza. Desenvolvemos um modelo que acredito ser inédito no Brasil. Teremos caixinhas nos ônibus em que o cliente que precisar enviar uma pequena encomenda entre as cidades que atendemos, poderá despachar por apenas R$ 20. Será mais ágil e mais barato do que o Sedex, dos Correios. Estou confiante no sucesso desse novo serviço.

Ao tentar recuperar os clientes que migram para a Gol, por exemplo, não surge algum conflito em família?
Não, não. Gosto muito de ouvir os conselhos da minha mãe, do meu avô (Nenê Constantino) e do meu tio (Constantino Júnior), mas nossas empresas não fazem parte do mesmo grupo e têm gestões independentes. Então, quando tem almoço de família, cada um esconde suas estratégias.

(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone, Luana Meneghetti e Pedro Arbex)


Mais posts

Portas abertas para o setor imobiliário

O executivo Leonardo Paz, CEO do Imovelweb, uma das maiores empresas de classificados de imóveis do País, tem acompanhado, quase em [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1095 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone)

Contabilidade a um clique

Se depender da Nucont, a papelada e as planilhas sobre a mesa dos contadores estão com os dias contados. A startup, que atua no [...]

Frase da semana

“Reformas e a independência do Banco Central fariam o Brasil crescer 3,5% no ano que vem” Paulo Guedes, futuro ministro da Economia [...]

Porto Digital na saúde

A Neurotech e a PickCells, duas empresas do Porto Digital, polo tecnológico de Pernambuco, se uniram para fortalecer seus negócios na área de medicina diagnóstica com uso de inteligência artificial (IA). Juntas, elas comercialização um sistema em que as imagens de raio X, ressonâncias magnéticas e tomografias serão analisadas eletronicamente, em vez de precisar que […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.