A guerra da Ucrânia ameaça a Amazônia. Entenda por que Bolsonaro e canadenses estão adorando

Crédito: Marcelo Soubhia/ISA

A extração da mina de potássio na Amazônia é financiada pelo banco comercial canadense Forbes & Manhattan, o mesmo que quer construir a maior mina de ouro a céu aberto no Brasil (Crédito: Marcelo Soubhia/ISA)

Uma distância de 13.647 km separa a Rússia da Floresta Amazônica brasileira. Ainda assim, a guerra declarada por Vladimir Putin contra a vizinha Ucrânia pode destruir uma parte do bioma mais diverso do planeta. Com o arrastar do conflito, o abastecimento de 20% dos fertilizantes que o agronegócio nacional importa da Rússia está sob risco – e o presidente Jair Bolsonaro tem usado o fato para sua agenda pessoal. Sob o argumento de que uma mina de potássio localizada no município de Autazes (AM) ajudaria o País a diminuir a dependência externa do insumo, Bolsonaro quer modificar a lei que proíbe mineração em terras indígenas.

O assunto, já controverso diante da crescente preocupação global com o aumento da temperatura do planeta, ganha ares mais complexos pela falta de informações embasadas sobre a relação custo versus benefícios que a exploração da mina significaria para o País. Um estudo divulgado por dois professores da Universidade Federal de Minas Gerais, Raoni Rajão e Bruno Manzolli, por exemplo, indica que a exploração de potássio nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Sergipe seriam suficientes para abastecer a demanda do agro até 2100. Por outro lado, segundo especialista de uma relevante associação do agronegócio ouvido pela Dinheiro, nem mesmo o mapeamento do território nacional para obtenção de detalhes das minas foi feito. E isso por si só exigiria investimentos que o governo não teria como arcar.



Amazônia: ‘ponto de inflexão’ se aproxima mais rápido do que o esperado

De onde, então, vem a informação da mina de Autazes? Vem de uma subsidiária do banco comercial canadense Forbes & Manhattan, a Potássio do Brasil, que em seu site se apresenta como “uma empresa de fertilizantes que vai atuar na extração de sais de potássio, no Amazonas”. Esse mesmo banco é também o dono da Belo Sun Mining que tem como objetivo tornar-se a maior mina de exploração de ouro a céu aberto do Brasil em uma área de 2,4 mil hectares — o que equivaleria a 2,4 mil campos de futebol —, também na floresta. A área a ser explorada está localizada onde se inicia a “volta grande do Xingu”, trecho sinuoso, cheio de cachoeiras do Rio Xingu e que abriga duas Terras Indígenas. Aqui vale um parênteses: a empresa é canadense, país cujo primeiro-ministro Justin Trudeau declarou que os países do G7 devem “agir pela Amazônia” e “agir pelo planeta”.

Tal declaração foi feita pelo premiê canadense em 2019, mesmo ano em que Bolsonaro disse uma das suas mais célebres frases sobre a Amazônia no que deveria ser uma defesa pela soberania nacional contra os países que ofereceram ajuda contra os incêndios na região. “O interesse na Amazônia não é no índio, nem na porra da árvore. É no minério”, afirmou Bolsonaro a um grupo de representantes da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada na frente do Palácio do Planalto, em 1º de outubro daquele ano. Na ocasião também afirmou repudiar “a forma como o nosso minério é doado para outros países”.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!


O interesse dos canadenses é nos minérios e eles estão dispostos a obtê-los destruindo o maior patrimônio ambiental brasileiro. É a eles que a legalização da mineração em Terras Indígenas que Bolsonaro tanto defende beneficiará.



Tópicos

açaí agro emissões carbono agro poluição Amazônia Amazônia desmatamento Amazônia eleições Amazônia expectativas 2022 Amazônia propostas eleições 2022 amazônia queimadas aquecimento global aquecimento global oceanos aquecimento global poluição Autazes (AM) bici letas pesquisa bicicletas pandemia Bolsonaro política ambiental carbono futuro ciclo de vida sustentabilidade CO2 sustentabilidade Como está a situação da Amazônia hoje? como o clima do mundo muda Cop 26 desmatamento ilegal Dia Mundial Sem Carro emissões de carbono agropecuária emissões de carbono brasil emissões ração gado ESG Fertilizantes Floresta Amazônica FORBES & MANHATTAN garimpo ilegal Amazônia garimpo ilegal contrabando garimpo ilegal doenças garimpo ilegal envolvimento garimpo ilegal estados garimpo ilegal evasão de riquezas garimpo ilegal fortuna garimpo ilegal ibama garimpo ilegal indígenas garimpo ilegal ministério garimpo ilegal pai e filhos italianos Garimpo ilegal terras indígenas 2021 guerra contra ucrânia Jair Bolsonaro Justin Trudeau meio ambiente meio ambiente Salles mina de potássio mineração mobilidade urbana 2022 mudança climática 2022 mudança climática oceanos mudança climática projeção O que é a Amazônia? o que é IPCC O que tá acontecendo na Amazônia 2022? Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas Pará Pará Natura Para The Nature Conservancy pegada de carbono Pesquisa do Bid Polícia Federal poluição baterias poluição carros elétricos poluição clima poluição indústria automotiva Potássio do Brasil quais os principais fatores para a mudança climática qual a cidade mais poluída do mundo Qual o bioma da Amazônia? qual o interesse dos canadenses na Amazônia? quanto ingerimos de carbono por dia Rio Xingu Rússia terras indígenas transporte alternativo 2022 uso de bicicletas Vladimir Putin

Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.